Vossa Senhoria, o menor jornal do mundo

Por Cláudio Tsuyoshi Suenaga

Fundado em 18 de agosto de 1935 – durante o governo constitucional de Getúlio Vargas – pelo jornalista e gráfico Leônidas Schwindt (1906-1972) na cidade de Goiás, à época capital do estado de Goiás, o jornal Vossa Senhoria vinha para validar o teorema subentendido e propugnado por seu minúsculo formato, o de que a capacidade redutiva é inversamente proporcional à capacidade criativa. Isso porque, apesar de pequeno em tamanho, pretendia-se “a maior criação jornalística de todos os tempos”. Se não foi a maior, certamente foi e continua sendo a menor, no melhor e mais grandioso sentido que a palavra comporta, tanto que o Guinness World Records assim a reconheceu em 13 de março de 2000, conferindo-lhe destaque à página 110 da edição de 2001 do Guinness Book Records (Livro dos Recordes).

Leônidas Schwindt, fundador do Vossa Senhoria

Natural de Uberlândia (MG), Leônidas costumava fugir da escola para frequentar gráficas, que lhe exerciam um fascínio irresistível. Não demorou a sair de casa e percorrer o Brasil fazendo o que verdadeiramente gostava: jornais, que ele mesmo escrevia, editava, imprimia e distribuía.

Ao mudar de Goiás para Minas Gerais, Leônidas teve de interromper a produção de Vossa Senhoria, retomada somente em 18 de agosto de 1946 (com a numeração retrocedida ao nº 1) na cidade de Pará de Minas, passando a circular posteriormente em Abaeté, Belo Horizonte e Pitangui.

Em Divinópolis, Dolores Nunes Schwindt e Lúcio Nunes Schwindt (falecido em 2002), filhos do fundador, prosseguiram com o Vossa Senhoria a partir de 9 de janeiro de 1985, mantendo até junho de 1997 o tamanho 10 x 7 cm. Para atingir o recorde almejado, Dolores o reduziu para 7,5 x 5 cm, depois para 6,5 x 5 cm, e em outubro de 1998, finalmente para 3,5 x 2,5 cm.

Com 16 páginas em média e tiragem de 5 mil exemplares, circula mensalmente no último formato, sendo vendida em algumas bancas de Divinópolis e de outras cidades e enviada via correio a leitores espalhados nos mais distantes pontos do Brasil e do exterior, motivo porque algumas das páginas trazem notícias em inglês.

Ostentando um caráter “cult”, veicula anúncios publicitários e aborda praticamente todos os assuntos – da política à culinária, da ciência ao esporte, da história à literatura – contemplando uma ampla faixa etária que vai da criança – há inclusive uma página dedicada ao público infantil – ao idoso, em quem desperta um misto de fetichismo com encanto saudosista.

Vale conferir o exercício de capacidade de síntese – forçada pela máxima necessidade – e as soluções encontradas para preservar a profundidade do texto sem o detrimento da estética, do apuro e da acuidade visual.

Chega a surpreender que num espaço tão exíguo se possam comprimir tantas e tão variegadas informações, que ainda vêm agregadas de fotos e desenhos. Não falta nem mesmo uma página dedica à poesia. Talvez esteja aí um indicativo de saída, uma fórmula de sobrevivência aos grandes jornais nestes tempos globalizantes em que o encarecimento dos custos do papel e da impressão, a crescente falta de tempo e a prevalência das mídias eletrônicas como a TV e a Internet, afastam cada vez mais o leitor.

Dolores Nunes Schwindt sendo homenageada

Transcrevo a seguir uma entrevista que a advogada e jornalista Dolores Nunes Schwindt, filha do fundador Leônidas Schwindt e diretora do jornal, me concedeu contando detalhes saborosos da história de Vossa Senhoria.

Suenaga – Como a Senhora conseguiu o feito de entrar para o Guinness?
Dolores – Em circulação, o Vossa Senhoria era o menor do mundo, mas havia um jornal nos EUA que teve uma única edição de apenas 2 páginas que permaneceu no Guinness por muitos anos. Soube então que a tiragem não importava, e sim o tamanho, daí resolvi reduzir para 7 x 5,5 cm. Só que apareceu um jornal na Índia com 5 x 4 cm, o que me obrigou a reduzir ainda mais, para 3,5 x 2,5 cm.

Suenaga – Por que a obsessão com o recorde?
Dolores – Queria atingir o objetivo preconizado pelo meu pai, porque ele sempre quis que fosse o menor, embora na sua época ele nem soubesse da existência do Guinness. Eu quis que fosse o menor como o meu pai queria, para fazer valer e justificar o slogan de menor jornal do mundo.

Suenaga – De onde veio a ideia de seu pai?
Dolores – Em 1935, ele era gráfico na cidade de Goiás, na época capital do Estado do mesmo nome. Havia lá um segmento formado por estudantes universitários que ele procurou conquistar criando um jornal de texto pequeno e acessível, de caráter literário. Por meio dele, meu pai também aproveitava para sair em defesa da classe dos gráficos.

Suenaga – O que levou o seu pai à profissão de jornalista?                                                                     Dolores – Quando ele era estudante em sua cidade natal, Uberlândia, vivia fugindo da escola para visitar as gráficas. Um dia ele acabou saindo de casa e percorreu o Brasil fazendo jornais. Nas cidades em que parava, trabalhava numa gráfica e bola um jornal diferente.

Suenaga – Então foram vários os jornais que ele criou…
Dolores – Foram. No entanto, em Pará de Minas ele tinha uma gráfica e fazia só o Vossa Senhoria. Em Pitangui, ele foi contratado pela Prefeitura para fazer o jornal oficial da cidade. E aproveitava para fazer o Vossa Senhoria. Aí ele foi convidado para vir a Divinópolis, onde fundou um jornal diário, o Diário do Oeste, extinto em 2002 com a morte de meu irmão Lúcio Nunes Schwindt, que havia lhe dado continuidade.
Suenaga – Quantas edições de Vossa Senhoria foram publicadas desde 1935?
Dolores – É de 1946 para cá, da época de Pará de Minas, que eu continuo a numeração, já na casa dos 500. De antes disso não tenho ideia porque muitos exemplares foram perdidos e estão nas mãos de colecionadores particulares. Um deles, morador de Goiás, mandou para mim o exemplar original nº 1, de 18 de agosto de 1935.

Suenaga – A senhora já traçou um perfil do público leitor?
Dolores – Nunca tracei, mas sei que são as crianças e os idosos que gostam mais. As crianças porque encaram o jornal como um brinquedo, encantadas e atraídas pelo tamanho, e os idosos porque voltam a ser crianças.

Vossa Senhoria está na Internet no endereço: http://www.vossasenhoria.com.br

Matéria publicada originalmente na edição de sábado, 28 de junho de 2003, do jornal Diário de Assis sob o título “Vossa Senhoria: O menor jornal do mundo”. Assis (SP), nº 575, ano III, Diário Algo Mais, p.2. Editor: Roberto Silo.

Contribuições de minha autoria publicadas no Vossa Senhoria: