Os 40 anos de Contatos Imediatos do 3º Grau

Por Cláudio Tsuyoshi Suenaga

Steven Spielberg (1946-) começou a se interessar pelos OVNIs desde cedo. Em 1964, aos 18 anos, tendo por equipamento uma câmera Kodak de 8 mm e no elenco seus amigos de Phoenix, Arizona, rodou Firelight, um filme de duas horas e meia de duração baseado em relatos de avistamentos de UFOs. Treze anos depois, em 1977, munido de um aparato técnico invejável proporcionado pelo mega-sucesso do suspense Jaws [Tubarão (1975)], Spielberg retomou o gênero e promoveu a chegada à Terra, com toda pompa, de um gigantesco disco voador em Close Encounters of the Third Kind (Contatos Imediatos do Terceiro Grau). Quebrando a tradição hollywoodiana de tratar os OVNIs como uma parábola da Guerra Fria,[1] Spielberg libertou a ficção científica dos vínculos políticos e ideológicos e recuperou a sua essência mítica e religiosa.

A índole dos seres em Contatos extrapola a humana, equiparando-se a de anjos salvadores. Em uma das cenas há uma clara referência ao filme The Ten Commandments (Os Dez Mandamentos), dirigido em 1956 por Cecil Blount DeMille (1881-1959). Os filhos do “escolhido” Roy Neary (Richard Dreyfuss), um entediado funcionário de uma empresa de luz e força do subúrbio de uma cidade de Indiana, em vez de irem dormir manifestam o desejo de assistir o épico de quase quatro horas na tevê.

O episódio de Moisés está ligado à visão obsessiva a vários personagens que desenham ou modelam uma montanha, conforme suas inclinações, de maneira quase psicográfica. Na narrativa bíblica, Moisés vai buscar a tábua dos mandamentos no Monte Sinai; em Contatos, os cientistas vão à Devil’s Tower (Torre do Diabo), em Wyoming, receber e decodificar mensagens em forma de luzes e sons musicais.

A referência mais marcante de Contatos é justamente a música, em escala diatônica de cinco notas: “ré-mi-dó-dó-sol”.[2] Essa melodia é ouvida no Ocidente e no Oriente, no México – quando um índio mexicano declara que “el sol cantó para mí!” –, nos Estados Unidos e na Índia, configurando um sintomático fenômeno religioso de massa.[3]

Apoiado em casos verídicos e na consultoria do astrofísico e ufólogo Josef Allen Hynek (1910-1986), que faz uma ponta como um cientista que assiste ao desembarque dos alienígenas enquanto fuma cachimbo, Contatos Imediatos é o único filme inteiramente concebido e escrito por Spielberg, ou seja, ele foi o único autor tanto da história original como do roteiro.[4]

O astrofísico Josef Allen Hynek (1910-1986), consultor da USAF para o assunto dos OVNIs e estabelecedor da classificação dos Contatos Imediatos com os OVNIs e seus tripulantes em graus, faz sua ponta no filme.

Spielberg pensou no cineasta francês François Truffaut (1932-1984) para o papel do cientista e ufólogo Claude Lacombe, inspirado na figura do astrofísico e ufólogo Jacques Vallée. Temendo que Truffaut recusasse o papel, chegou a oferecê-lo a Lino Ventura, Yves Montand, Gérard Depardieu, Phillipe Noiret e Michel Piccoli. Mas, uma semana depois de receber o roteiro, Truffaut ligou à produtora do filme, Julia Phillips, perguntando quando começavam as filmagens. Alguns anos depois, Truffaut avaliou que “o sucesso de Contatos Imediatos deve-se ao talento muito especial de Spielberg de dar plausibilidade ao extraordinário. Se vocês analisarem Contatos Imediatos do Terceiro Grau, verão que Spielberg tomou o cuidado de rodar todas as cenas da vida cotidiana dando-lhes um aspecto um pouco fantástico, ao passo que, no outro prato da balança, dava o máximo de cotidianidade às cenas fantásticas.”[5]

Spielberg concretizou seus sonhos de infância por meio dos efeitos especiais de Douglas Trumbull (1942-), de 2001: A Space Odyssey (1968), Silent Running (1972), Star Trek: The Motion Picture (1979) e Blade Runner (1982). A gigantesca nave-mãe, com seu design de árvore de natal ou candelabro invertido, passa uma impressão de leveza. A orquestra cita When you Wish Upon a Star, a canção do Grilo Falante em Pinocchio [Pinóquio (1940)], de Walt Disney (1901-1966). As naves voam feito as fadas de Sleeping Beauty [A Bela Adormecida (1959)], e da mesma maneira fascinam e atraem tanto o adulto Roy Neary, quanto o garoto Barry Guiler (Cary Guffey).

Em sua primeira obra oficial sobre extraterrestres, Spielberg foi buscar os alienígenas não em outros planetas, mas na Terra do Nunca. O Peter Pan em questão, o homem que encontra um jeito de não crescer, é Neary, que leva uma vida chata. Seus filhos bancam os pequenos adultos e sua mulher não se interessa por fantasias infantis. Até que, numa bela noite, seres brincalhões provocam um blecaute e interceptam o caminhão de Neary.

Ele passa a dividir com outras testemunhas a obsessão por uma peculiar formação geológica. Convergindo para o mesmo ponto está o professor Lacombe, que investiga uma série de pistas deixadas pelos visitantes do espaço, dispostos a manter contato direto e intercambiar conhecimentos com os habitantes da Terra.

Os alienígenas que aparecem no final do filme estão no caminho evolutivo entre o feto que fecha 2001 e o monstrinho de ET. Para Arthur C. Clarke, o encontro do homem com uma inteligência superior significa o fim da infância para a humanidade. Para Spielberg, a infância recomeça na porta de um disco voador.[6]

Contatos Imediatos teve uma das maiores bilheterias da história até então, e só não foi a maior bilheteria de 1977 porque, naquele ano, um colega e amigo de Spielberg, George Lucas (1944-), revolucionaria a maneira de como os filmes eram pensados e produzidos com Star Wars: Episode IV – A New Hope (Guerra nas Estrelas: Episódio IV – Uma Nova Esperança), o primeiro da primeira trilogia em ordem cronológica inversa, do qual falaremos muito em breve.

Instigado com a inata propensão das testemunhas em pinçarem elementos da ficção e as incorporarem aos relatos, o psicólogo social argentino Roberto Enrique Banchs empreendeu um estudo rigoroso e categórico dos efeitos na população de filmes nitidamente sugestionáveis. Mediante gráficos e quadros estatísticos, demonstrou cabalmente que as ondas de OVNIs irrompiam, incrementavam-se e decresciam muitas vezes acompanhando a época de lançamento, exibição e saída de cartaz.

“É notório observar que sua projeção coincide com os meses de maior incidência de informes, os quais se reduzem sensivelmente quando o filme deixa de ocupar as telas das salas cinematográficas”, escreveu ele em seu livro Fenómenos Aéreos Inusuales: Un Enfoque Biopsicosocial. O comentário se refere a justamente a Contatos Imediatos do Terceiro Grau), exibido na Argentina em 1978, ano em que esse país se viu às voltas com uma gigantesca onda de discos voadores.

Banchs afirmou que “A relação de causalidade estabelecida entre ambos – filmes-onda – não pode passar despercebida no momento de analisar o papel desempenhado pelo gênero ficção científica na atividade ufológica. Assim sendo, o presente estudo confirma a hipótese de que o fenômeno não se manifesta em ciclos ou ondas devido a sua natureza intrínseca, e sim a fatores alheios, denotando um estado de emoção latente que aguarda não mais do que uma oportunidade para manifestar-se.”[9]

Notas

[1] Para mais detalhes sobre esse gênero de filmes, ver a segunda edição de meu livro Contatados: Embaixadores das Estrelas, Arautos de uma Nova Era ou a Quinta Coluna do Governo Mundial?

[2] Curiosamente, Contatos Imediatos foi o primeiro filme exibido pela extinta Rede Manchete de televisão – do jornalista e empresário ucraniano naturalizado brasileiro Adolpho Bloch (1908-1995) –, apenas três horas após sua inauguração, em 5 de junho de 1983. Por muitos anos a saudosa emissora (que permaneceu no ar até o dia 10 de maio de 1999) usou a trilha sonora do filme nas suas vinhetas, tornando-a uma de suas marcas registradas.

[3] Colangelo, Adriano. “Contatos Imediatos do Terceiro Grau: sons e cores na simbologia esotérica de um filme”, in O melhor de Planeta: Ufologia II, São Paulo, nº 100-A, s.d., p.31-33.

[4] Spielberg, Steven. Contatos Imediatos do Terceiro Grau, 3ª ed., Rio de Janeiro, Record, s.d.

[5] Texto escrito para o prefácio da edição francesa do livro L’Aventure Spielberg, de Tony Crawley, em 1984 (Paris, Ed. Pygmalion/Gerard Watelet).

[6] Smirkoff, Marcos. “Contatos Imediatos chega em versão remontada”, in Folha de S. Paulo, 4-1-1990, ilustrada, p.5, c.E.

[7] Araújo, Inácio. “Guerra…  sintetiza Hollywood”, in Folha de S. Paulo, 17-2-1997, ilustrada, p.7, c.4.

[8] Campbell, Joseph & Moyers, Bill. O Poder do Mito, São Paulo, Palas Athena, 1990, p.VIII-IX, 19.

[9] Banchs, Roberto Enrique. Fenómenos Aéreos Inusuales: Un Enfoque Biopsicosocial, Buenos Aires, LEUKA, 1994, p.83.