CoronaV de Vorazes: A Pandemia da Revolução 4.0, o livro de Cláudio Suenaga sobre a Covid-19

Por Cláudio Tsuyoshi Suenaga

Em meio a esta prolongada e interminável pandemia de Covid-19, que até o momento já contaminou mais de 28 milhões de pessoas e matou mais de 900 mil em todo o mundo, estou lançando em edição pocket book, exclusivamente digital, o livro CoronaV de Vorazes: A Pandemia da Revolução 4.0.

Neste que é meu quarto livro, você encontrará informações proibidas e censuradas pelos governos e pela grande mídia que não querem que você saiba a verdade sobre o novo coronavírus, um plano arquitetado pela elite oculta para reduzir a população, instaurar o medo, arruinar a economia, acabar de vez com as liberdades e estabelecer o controle definitivo total sobre a humanidade.

A mudança de paradigma tecnológico foi o motor de tudo isso. Estamos no paradigma da Revolução 4.0, da Quarta Revolução Industrial ou do mundo pós-industrial, da economia transindustrial, robótica, inteligência artificial, realidade virtual, nanotecnologia, neurotecnologia, biotecnologia, transumanismo, de tecnologias que permitem a fusão do mundo físico, digital e biológico, da fusão homem-máquina, homem-computador. É, portanto, uma mudança de paradigma, não apenas mais uma etapa do desenvolvimento tecnológico.

Sempre que emerge um novo paradigma tecnológico, uma nova mudança que transforma fundamentalmente a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos é exigida. Quanto mais avança a tecnologia, mais os seres humanos se tornam desnecessários. Então vem o problema de o que fazer com grande parte da população excedente, que é absolutamente dispensável. E foi assim que a elite financeira global encontrou uma solução perfeita chamada Covid-19.

A Covid-19 é ao mesmo tempo uma arma biológica para redução populacional, uma operação psicológica global de controle mental baseada no medo, e um pretexto para programas de imunização em massa por meio de vacinas com microchips injetáveis e rastreadores de vigilância indetectáveis, componentes da interface digital que irão nos conectar à rede de controle global 5G e a uma vasta rede planetária de inteligência artificial chamada Internet das Coisas ou IoT (Internet of Things), onde tudo e todos se tornam nós na rede, conectados por microchips nano-size que podem ser inalados como poeira inteligente.

Quem não aceitar as vacinas que irão modificar o nosso DNA e instalar em nós componentes da interface digital, ficará impedido de fazer quase tudo, pois será necessário comprovar que se está vacinado contra o coronavírus para poder comprar desde comida a casa, poder viajar, casar e morrer. Virá um passaporte virtual, obrigatório, que conterá todos os dados para identificar uma pessoa, incluindo seu perfil de saúde, um novo programa de identidade digital, um sistema de rastreio. Isto é o que se pode chamar de instauração de uma autêntica ditadura eletrônica, de uma autêntica Matrix.

O título é ao mesmo tempo uma referência e um trocadilho com os filmes distópicos V de Vingança, que nos alertou quanto a fabricação de uma pandemia para justificar a instauração do totalitarismo, e Jogos Vorazes, que antecipou a construção de uma sociedade em que a maioria das pessoas vive na pobreza, enquanto alguns no topo desfrutam da vasta riqueza e proteção e impõem controles rígidos ao restante da população. Tanto a sociedade de V como de Jogos Vorazes foi projetada para que não haja nenhuma empresa pequena ou de médio porte, apenas corporações gigantescas que produzem e controlam tudo. O que a histeria do coronavírus está provocando é justamente uma situação que está destruindo as pequenas empresas, as empresas familiares e até mesmo empresas de médio porte.

No topo estão algumas poucas pessoas extremamente ricas e poderosas (não mais de 1% da população), enquanto que na base está basicamente o resto da humanidade que é controlada por essa elite. Entre os dois está um estado policial-militar cruel a impor a vontade do 1% do topo ao restante da população.

Esta Sociedade dos Jogos Vorazes não é nem o fascismo nem o comunismo clássico, embora o resultado em termos de tirania seja o mesmo. É uma tecnocracia. Uma tecnocracia é definida como uma sociedade controlada por burocratas, especialistas, cientistas, engenheiros e tecnocratas. A tecnocracia vem sendo cada mais vez ampliada e viabilizada por meio da tecnologia computacional e da Inteligência Artificial (IA). A ideia é a de que tudo esteja conectado à IA. O Vale do Silício prevê que por volta de 2030, o cérebro das pessoas estarão se conectando à rede de IA, e dessa forma, quem controlar a IA estará direcionando e controlando as próprias percepções da humanidade.

Você pode adquirir o livro CoronaV de Vorazes: A Pandemia da Revolução 4.0, diretamente no site Clube dos Autores ou em outras plataformas.

Livro: CoronaV de Vorazes: A Pandemia da Revolução 4.0

Autor: Cláudio Tsuyoshi Suenaga

Clube dos Autores, 2020, pocket book (105 x 148), 68 páginas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *