A verdade sobre o 11 de Setembro: toda a simbologia ocultista Illuminati e suas conexões satânicas

Por Claudio Tsuyoshi Suenaga (pesquisa, organização, compilação de texto e imagens)

Obs.: Para não atrapalhar a leitura, optei por colocar todas as imagens em forma de slides  após o texto. Não deixe de conferir, ou caso prefira, vá direto a elas.

Se o século XX foi inaugurado em termos definitivos pela Primeira Guerra Mundial, o XXI o foi pelo 11 de Setembro (September 11 ou 9/11). Ambos colimavam o mesmo objetivo: fazer emergir do caos e da destruição uma nova era, uma Nova Ordem Mundial, e acelerar a história na direção de um mundo cada vez mais globalizado e unificado. Da Primeira Guerra advieram a Liga das Nações [antecessora da Organização das Nações Unidas (ONU)], a Crise de 1929, os totalitarismos (comunistas, fascistas e nazistas) e a Segunda Guerra Mundial; do 11 de Setembro, a Guerra ao Terrorismo, a justificativa para vigiar a tudo e todos, a Crise Econômica de 2008, a concentração cada vez maior de poderes nas mãos dos grandes blocos econômicos e da ONU e o consenso em torno dos apelos para a criação de um Governo Único Mundial.

Tão marcantes foram os ataques, que praticamente não há quem não se recorde do que fazia quando passou a acompanhar os acontecimentos ao vivo pela televisão. As cenas do choque do segundo avião e do desabamento das torres, fixaram-se definitivamente em nossas mentes como eventos traumáticos. Recapitulemos em detalhes a mirabolante sequência de eventos daquela insólita e inesquecível manhã de quinta-feira:

  • Às 8h37min, a FAA (Federal Aviation Administration) notifica o NORAD (North American Aerospace Defense Command) da suspeita de sequestro do Voo 11 da American Airlines.
  • Às 8h46min30seg, o Voo 11 da American Airlines (Boeing 767 com 11 tripulantes, 76 passageiros e 5 sequestradores) se choca com a Torre Norte do World Trade Center. O presidente George W. Bush se encontra neste momento a caminho da escola primária Emma E. Booker Elementary School, na Flórida, mas mesmo assim decide manter a programação.
  • Às 9h02min59seg, o Voo 175 da United Airlines (Boeing 767 com 9 tripulantes, 51 passageiros e 5 sequestradores) se choca com a Torre Sul. O chefe de gabinete Andrew Card avisa imediatamente Bush, que se encontra sentado diante dos alunos da escola primária, do segundo ataque ao WTC. Bush, no entanto, se mantém impassível.
  • Às 9h26min, a FAA proíbe a decolagem de todos os aviões civis.
  • Às 9h31min, Bush pronuncia um discurso na escola primária informando que se tratava aparentemente de um ato terrorista.
  • Às 9h37min46seg, o Voo 77 da American Airlines (Boeing 757 com 6 tripulantes, 53 passageiros e 5 sequestradores), vindo do Aeroporto Internacional Washington Dulles, na Virgínia, se choca com o Pentágono.
  • Às 9h48min, o Congresso e a Casa Branca são evacuados.
  • Às 9h59min, a Torre Sul cai.
  • Às 10h03min, o Voo 93 da United Airlines (Boeing 757 com 7 tripulantes, 33 passageiros e 4 sequestradores), vindo do Aeroporto Internacional de Newark, em rota para São Francisco, cai perto de Shanksville, na Pensilvânia. Como a direção de voo desviada coincidia com a cidade de Washington, supõe-se que a intenção era colidi-lo com o Capitólio ou com a Casa Branca. Supõe-se também que os tripulantes e passageiros tenham tentado heroicamente recuperar o controle do avião lutando contra os terroristas, o que teria causado a queda do avião.
  • Às 10h28min, a Torre Norte cai.
  • Às 11h45min, Bush aterra na Base Aérea de Barksdale, na Louisiana.
  • Às 17h21min10seg, cai o Edifício 7 de 47 andares do WTC.

A versão oficial diz que o WTC 7 foi danificado por detritos da Torre Norte quando esta entrou em colapso. Durante toda a tarde, o fogo consumiu os pisos inferiores, uma vez que o sistema de combate a incêndio interno falhou devido a falta de pressão da água. O colapso começou às 17h20min33seg com a quebra de uma coluna do 13º andar. O desabamento completo ocorreu às 17h21min10seg.

A implosão do Edifício 7 do WTC foi autorizada pelo próprio Larry “Luck” Silverstein (1931-), o homem de negócios e megainvestidor que havia ganhado a disputa para construí-lo em 1980. Numa entrevista à TV, Silverstein descreveu o diálogo que manteve com o comandante dos Bombeiros acerca do estado do Edifício 7: “Como você sabe, nós já tivemos muitas vítimas hoje, de modo que talvez fosse melhor implodi-lo (pull-it). E eles tomaram então a decisão de explodi-lo (pull), e nós observamos como o edifício ruiu.” O termo pull-it é utilizado pelos especialistas em demolição para descrever a demolição planejada com explosivos de um edifício.

O Hotel Millenium Hilton em Lower Manhattan, no Ground Zero, a zona do complexo WTC, sofreu grandes danos nos ataques terroristas e teve de ser totalmente remodelado, só reabrindo em maio de 2003. Com 179 metros de altura e 55 andares, foi projetado pelo escritório de arquitetura Eli Attia e construído entre 1990 e 1992. Seu proprietário era o judeu Peter S. Kalikow (1942-), então presidente da H. J. Kalikow & Company, uma das empresas imobiliárias líderes de Nova York, e um dos maiores colecionadores de carros do país, com preferência por Ferraris antigas. Kalikow havia sido presidente da Metropolitan Transportation Authority (MTA), comissário da Port Authority of New York and New Jersey (Autoridade Portuária de NY e NJ) e proprietário e editor do New York Post.

A Igreja St. Nicholas Greek Orthodox Church (Igreja Ortodoxa Grega St. Nicholas), situada do outro lado da Liberty Street, ao lado da Torre Sul, foi o único edifício não pertencente ao complexo do WTC imediatamente destruído pelos ataques, o que se deu devido ao colapso da Torre Sul, momento em que nenhuma pessoa se encontrava em seu interior. Originalmente uma taverna, a igreja foi construída por volta de 1832. Em 1916, imigrantes gregos começaram a congregação da Igreja Ortodoxa Grega. Em 1919, cinco famílias levantaram fundos e compraram a taverna, convertendo-a definitivamente em igreja, que media 6,7 metros de largura, 17 metros de comprimento e 11 metros de altura. Havia ali relíquias de São Nicolau, Santa Catarina e São Sava, doadas por Nicolau II, o último czar da Rússia. Como as relíquias estavam expostas para veneração, elas se perderam e não foram recuperadas. Os únicos itens recuperados foram estátuas danificadas de São Dionysios de Zakynthos e Zoodochos Pege e alguns objetos religiosos. Um jornal ortodoxo grego reportou que antes do colapso da Torre Sul, parte do trem de pouso do avião foi visto descansando no teto da igreja. Além disso, partes de corpos foram vistos sobre e ao redor da igreja, provavelmente os restos mortais daqueles que tinham saltado ou caído das torres.

O número de mortos nas torres, imediatamente aos ataques, foi de 2.996. Só o Cantor Fitzgerald LP, um banco de investimento nos andares 101a-105a do WTC, perdeu 658 funcionários, enquanto a Marsh & McLennan Companies, localizada logo abaixo ao banco, perdeu 295 funcionários. Houve 343 mortes de bombeiros de Nova York, 84 de funcionários da Autoridade Portuária e outras 23 de oficiais do New York City Police Department.

De todas as pessoas que ainda estavam nas torres quando elas entraram em colapso, apenas 20 foram resgatadas com vida. Além disso, 410 mil pessoas foram imediatamente afetadas pelo ar contaminado e pó resultante da desintegração dos prédios. Duas mil toneladas de fibras de amianto foram lançadas no ar quando as torres colapsaram. O nível de amianto nos arredores alcançou índices 112 mil vezes acima do tolerável. Estudos mostram que todos os que se encontravam no local sofreram danos em suas saúdes. Ao longo de uma década, pelo menos 210 deles morreram, 55 de doenças do pulmão, alguns de câncer.

A arquitetura sagrada ou esotérica das Torres Gêmeas

A ideia de criar o WTC foi proposta pela primeira vez em 1943. Durante os anos 40 e 50, o crescimento econômico de Nova York estava concentrado em Midtown Manhattan. Para ajudar a estimular uma renovação urbana em Lower Manhattan, David Rockefeller sugeriu que a Autoridade Portuária construísse o WTC na região.

O arquiteto nipo-americano Minoru Yamasaki (1912-1986), de tendências gótico-modernistas e adepto da estética de Le Corbusier, foi o arquiteto-chefe, e Emery Roth & Sons, os arquitetos associados. O plano original de Yamasaki previa torres de 80 andares, mas para cumprir a exigência da Autoridade Portuária de 930.000 m² de espaço de escritórios, cada um dos edifícios passou a ter 110 andares. As fachadas foram projetadas para serem cobertas de liga de alumínio, e as janelas dos escritórios projetadas para ter uma largura de apenas 46 centímetros, o que refletia o medo de altura de Yamasaki, além do seu desejo em fazer os ocupantes se sentirem seguros. A construção iniciou-se em 5 de agosto de 1966, e a inauguração oficial ocorreu em 4 de abril de 1973.

Aspectos da arquitetura sagrada ou esotérica foram embutidos em profusão no WTC.

A Praça (Plaza), por exemplo, era um relógio astrológico gigante dividido em 36 decans, ou seções, assim como se fazia no Antigo Egito. Um enorme globo foi assentado no centro lançando sua sombra sobre o relógio astrológico conforme o Sol seguia seu curso.

As Torres Gêmeas, por si mesmas, representavam as duas colunas da Maçonaria, Jachin e Boaz. Essas colunas que muitas vezes são erguidas solitariamente em monumentos isolados sem que façam parte de qualquer edifício e sem razão aparente, apenas permanecendo ali misteriosamente como um portal para algo mais, são referidas na Bíblia como os Pilares do Templo do Rei Salomão (I Reis 7:21; II Crônicas 3:17) e em outros documentos como os Pilares de Shu, Pilares de Hermes, Pilares de Atlas, Pilares dos Deuses das Alvoradas, Colunas Babilônicas, Colunas Romanas, Colunas Maçônicas e as Colunas Norte e Sul do Hall da Verdade Egípcia. Nos monumentos maçônicos, encontram-se comumente junto a Pirâmide Illuminati, ao Olho de Hórus, aos Dois Globos (um preto e outro branco) e ao Esquadro e o Compasso, estes inspirados no selo real do Rei Salomão que nada mais é do que a representação mágica do planeta Saturno, que por sua vez se encontrava na casa de gêmeos (II) no dia 11 de setembro de 2001.

Na Bíblia King James, as colunas Jachin e Boaz são descritas como estando decoradas com aquele padrão típico de xadrez que vemos no chão dos halls dos templos maçônicos, bem como tendo em seus topos dois globos. Nas colunas maçônicas, sempre há em seus topos ou um globo ou uma tocha com uma chama, o que lhes confere a importância de colunas que suportam o mundo e, com ele, o seu conhecimento ou a iluminação. Certos globos aparecem divididos por linhas, as famosas ley lines ou linhas de energia que cortam o nosso planeta e que são marcados por colossais monumentos de pedra como dolmens, cromeleques, obeliscos, pirâmides, catedrais, etc.

As duas colunas encontram seus mais antigos representantes nos dois obeliscos perante os santuários egípcios, como aqueles em Karnak da rainha Hatshepsut ou Hatshepsut, nascida em Tebas, filha mais velha do rei Tutmés I, casada com seu meio-irmão Tutmés II, que reinou durante 22 anos, no início do século XV a.C, na 18ª Dinastia do Império Novo. Hatshepsut declarou ser filha do deus nacional Amon-Rá e no oitavo ano de seu reinado iniciou a obra do Templo de Milhões de Anos na margem ocidental de Tebas, na encosta de uma falésia, onde hoje encontramos os Vales dos Reis e das Rainhas. Os obeliscos pesando mais de 300 toneladas foram trabalhados nas pedreiras de granito de Assuã e dali transportados até Karnak.

Energia luciferiana

Os ocultistas e membros de sociedades secretas creem firmemente que um símbolo ou um conjunto de símbolos possui poder inerente e imanente, e que portanto atua como uma poderosa e permanente fonte de energia que pulsa com energia luciferiana 24 horas por dia. A maneira mais abrangente e eficaz de fazer essa energia pulsar o tempo todo de modo a afetar o maior número possível de pessoas, logicamente é plasmando esses símbolos em monumentos arquitetônicos gigantescos, daí que as duas torres na arquitetura sejam padrões recorrentes desde tempos antigos a atestar a difusão de uma sabedoria oculta por membros secretos de altas cúpulas que procuraram deixar registrado em edifícios tanto sagrados como seculares, símbolos velados e sutilíssimas mensagens entendidos somente por iniciados. Façamos então um breve tour por entre seus mais notórios representantes:

  • Na cidade da província de Jiangsu, na China, erguem-se as Suzhou Twin Pagodas ou Luohanyuan Temple. Construídas no ano 982 durante a Dinastia Song pelos irmãos Wang, possuem 8 lados, 7 andares e 30 metros de altura.
  • Construída com blocos de granito sobre um afloramento de granito a uma altitude de 451 metros pelo nobre Eberhard d’Andlau (e até hoje pertencente à família Andlau) entre 1246 e 1264, Château d’Andlau é um castelo medieval na comuna de Andlau, no departamento de Bas-Rhin, na França. A parte superior é construída em um cume estreito de cerca de 25 metros de largura e 80 metros de comprimento, orientada em direção sul-sudoeste e norte-nordeste.
  • Construídas em 1255 pela Família Salvucci para marcar sua supremacia, Le Torri dei Salvucci, ou as Torres Gêmeas de San Gimignano, na Piazza del Duomo, Toscana, Itália, erguem-se a 55 metros.
  • A Frauenkirche (Catedral de Nossa Senhora Bendita) em Munique, projetada pelo arquiteto Jörg von Halsbach em estilo gótico e com cúpulas em estilo renascentista, começou a ser construída em 1468 e ficou pronta em 1488. A municipalidade proibiu a construção de qualquer estrutura superior a 100 metros nas proximidades.
  • O Olympiastadion (Estádio Olímpico) em Charlottenburg, no distrito de Berlim, foi projetado pelo arquiteto alemão Werner March e construído entre 1934 e 1936 para os Jogos Olímpicos de Verão de 1936, em pleno regime nazista.
  • As Duas Torres (The Two Towers) é o título do livro da segunda parte da trilogia O Senhor dos Anéis (The Lord of the Rings), escrita entre 1937 e 1949 pelo escritor, professor universitário e filólogo britânico John Ronald Reuel Tolkien (1892-1973).[1]
  • Sobre um bloco-plataforma horizontal, entre duas semi-esferas (à esquerda, o assento do Senado, e à direita, o da Câmara dos Deputados), ficam as duas Torres Gêmeas de escritórios (o chamado “Anexo 1”) com 100 metros de altura, partes do complexo do Palácio do Congresso Nacional na Praça dos Três Poderes em Brasília, projeto de Oscar Niemeyer com cálculo estrutural de Joaquim Cardoso inaugurado em 1960.
  • Projetado por Bertrand Goldberg e inaugurado em 1964, Marina City, em Chicago, Illinois, tem 65 andares e 179 metros de altura.
  • Projetado pela Morgan, Walls & Clements nos anos 20 e inaugurado em 1972, o City National Plaza em Los Angeles, Califórnia, tem 52 andares e 213,1 metros de altura.
  • O Century Plaza Towers and ABC Entertainment Center Buildings, no Century Park East, Century City, Los Angeles, California, com 44 andares e 174 metros, foi projetado pelo arquiteto nipo-americano Minoru Yamasaki (o mesmo do WTC) e inaugurado em 1975. Assim como o WTC, o Century Plaza possui linhas verticais pretas e cinzas e fachada de alumínio. Em suas torres de formato triangular ficava o escritório do detetive particular Remington Steele (intepretado pelo ator Pierce Brosnan, o futuro Agente 007, que atuava ao lado de sua parceira Laura Holt, interpretada pela atriz Stephanie Zimbalist, filha do ator Efrem Zimbalist), seriado que foi ar pela NBC entre 1982 e 1987 e pela Rede Globo em 1987 com o título de Jogo Duplo.
  • Construídas entre 1975 e 1977, as Tours Mercuriales em Bagnolet, Boulevard Périphérique, Paris, foram projetadas pelos arquitetos Serge Lana e Alfred H. Milh, que se inspiraram diretamente nas Torres Gêmeas do WTC. A Torre Ponant (Oeste) tem 175 metros, e a Torre Levant (Leste), 141 metros.
  • O Deutsche Bank Twin Towers ou Deutsche Bank Headquarters, sede do Deutsche Bank em Frankfurt, Alemanha, com 155 metros, foi projetado pelos arquitetos Walter Hanig, Heinz Scheid e Johannes Schmidt e inaugurado em 1984.
  • Projetado pelo arquiteto norte-americano Paul Rudolph e inaugurado em 1988, Lippo Centre Twin Towers, em Hong Kong, China, ostenta paredes que sugerem coalas escalando uma árvore, daí o apelido de “The Tree Koala”. A Torre I, com 44 andares, mede 172 metros, e a Torre II, com 48 andares, 186 metros.
  • Projetado pelo arquiteto Kenzo Tange e concluído em 1991, The Tokyo Metropolitan Government Building ou Tokyo City Hall (Edifício do Governo Metropolitano de Tóquio), tem 48 andares e 243 metros.
  • Sede da Société Générale, um dos maiores grupos bancários da França, o Tours Chassagne et Alicante, em La Défense, no distrito de negócios em Nanterre, a oeste de Paris, projetado pelos arquitetos Michel Andrault, Pierre Parat e Nicolas Ayoub, mede 67 metros e foi inaugurado em 1995.
  • Com 200.000 m2 de área, o World Trade Center de São Paulo, no Brooklin Novo, entre as Avenidas Luís Carlos Berrini e Nações Unidas, integra um complexo empresarial – composto pela WTC Tower (25 andares), pelo Sheraton São Paulo WTC Hotel, pela estrutura do WTC Convention Center, pelo Business Club e pelo Centro de Decoração e Design (Shopping D&D) – fundado em 1995 pelo World Trade Centers Association, organização fomentadora de comércio em escala mundial, com mais de 290 cidades membros espalhadas por 85 países.
  • Com projeto estrutural da Leslie F. Robertson Associates, que também foi responsável pelo das Torres Gêmeas do WTC, projetadas pelos arquitetos norte-americanos Philip Johnson e John Burgee e inauguradas em 1996, a Puerta de Europa ou Torres KIO (nome devido à empresa que promoveu as obras, a Kuwait Investments Office), fica na Plaza de Castilla, perto do centro financeiro de AZCA, em Madrid, Espanha. Suas duas torres com 115 metros e 27 andares, estão inclinadas uma contra a outra em 15º em relação a vertical. A torre no sentido esquerdo de Madrid é chamada de Puerta de Europa I, enquanto a outra de Puerta de Europa II. A da esquerda tem o logo da Caja Madrid, e o da direita o da Realia, uma empresa imobiliária.
  • Na Cidade do México fica a Torre Arcos Bosques I, apelidada de “El Pantalón”, projetada pelos arquitetos Teodoro González de León, Francisco Serrano e Carlos Tejeda. Concluída em 1996, tem 34 andares e 161,5 metros. Sua companheira, a Torre Arcos Bosques II, foi concluída em 2008 e tem 34 andares e 161,2 metros.
  • Projetado pelo arquiteto argentino Cesar Pelli e inaugurado em 1998, o Petronas Twin Towers (Torres Petronas) em Kuala Lampur, Malásia, com 88 andares e 452 metros, possui estrutura de aço e vedação em vidro. Sua forma lembra os motivos da arte islâmica.
  • Inaugurado em 2000, o Dalian World Trade Center ou Dalian Twin Towers, em Dalian, China, tem 50 andares e 242 metros.
  • As duas torres de 215 metros cada do BSA Twin Towers, em Mandaluyong City, Filipinas, projetadas pela Villarosa Architecte e inauguradas em 2000, possuem uma plataforma de observação no terraço e um jardim suspenso em seu telhado em forma de pirâmide.
  • Projetado pelo arquiteto David Childs e concluído em 2004, o Time Warner Center, sede da Time Warner em Columbus Circle, Manhattan, Nova York, tem 55 andares e 229 metros.
  • Inaugurada em 2005, a LG Twin Tower em Beijing, China, tem 30 andares e 141 metros.
  • Projetado por Kohn Pedersen Fox e inaugurado em 2008, o Shanghai World Financial Center, em Xangai, na China, tem 101 andares, 492 metros e uma abertura no topo em forma de trapézio.
  • Semelhante ao Chrysler Building de Nova York, o Al Kazim Towers em Dubai Media City, Dubai, Emirados Árabes Unidos, inaugurado em 2008, tem 53 andares e 265 metros.
  • Projetadas pelo estúdio de Arquitetura de Manteola, Sánchez Gómez, Santos, Solsona y Sallaberry e concluídas em 2009, as Torres Mulieris, com 44 andares e 161,4 metros, ficam no bairro de Puerto Madero, em Buenos Aires.
  • Inaugurado em 2010, o CITIC Pacific Group Headquarters, em Shanghai, na China, tem 218 metros e 49 andares.
  • As torres residenciais Veer Towers em CityCenter, Strip in Paradise, Las Vegas, Nevada, projetadas por Murphy/Jahn Architects, de Chicago, e inauguradas em 2010, têm 37 andares e 150 metros.
  • No centro do Rio de Janeiro, na Avenida República do Chile, bem em frente à Catedral Metropolitana, fica a Ventura Corporate Towers, com 140 metros e 36 andares. Concluída em 2010, foi projetada pela Aflalo & Gasperini e suas fachadas pelo escritório norte-americano Kohn Pedersen Fox. Construído pelo consórcio Camargo Corrêa e Método em parceria com a Tishman Speyer, o edifício recebeu a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), conferido pela ONG americana U.S. Green Building Council por atender a uma série de exigências sustentáveis para o edifício.
  • Projetada pelos arquitetos Stefano Boeri, Gianandrea Barreca e Giovanni La Varra, com a colaboração de um time de horticultores e botânicos, Bosco Verticale (Vertical Forest), concluída em 2012, são torres residenciais medindo 119 metros e 87 metros no distrito de Porta Nuova, em Milão, Itália. Seus 8.900 m2 de terraços incluem mais de 900 árvores. Dentro do complexo também há um edifício de escritórios de 11 andares.
  • Com 145 metros, Al Bahr Towers em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, foi projetado pela firma de arquitetura Aedas e inaugurado em 2012.
  • Composto por duas torres paralelas separadas por uma distância de 20 metros e ligados por uma estrutura em forma de cone entre os andares 38 e 44, o Edificio In Tempo, em Benidorm, Alicante, Espanha, com 47 andares e 200 metros, foi projetado pelo Estudio de Arquitectura Alicantino Pérez-Guerras e construído entre 2007 e 2013. Sua vista frontal em forma de número 11 e da letra M, evoca tanto a Maçonaria quanto os ataques terroristas de 11-9-2001 em Nova York e 11-3-2004 em Madrid.
  • Projetada pelo escritório holandês de Arquitetura MVRDV, integrado por Winy Maas, Jacob van Rijs e Nathalie de Vries, com projeto paisagístico de Martha Schwartz, The Cloud (A Nuvem), em Seul, Coreia do Sul, foi concluída em A Torre Sul, com 54 andares e 260 metros de altura, se conecta no centro por uma nuvem pixelada com a Torre Norte, com 60 andares e 300 metros. O conjunto lembra sobremaneira as Torres Gêmeas do WTC rodeadas de fogo, fumaça e detritos decorrentes do choque dos aviões durante os atentados.

Conhecimento prévio dos ataques

A despeito da declaração da conselheira da Segurança Nacional Condoleezza “Condi” Rice (1954-) e futura secretária de Estado (entre 2005 e 2009) de que “ninguém poderia ter previsto que eles poderiam tentar usar um avião sequestrado como um míssil”, inúmeros acontecimentos em 2001 e muito antes até, como veremos logo adiante, indicam que o governo norte-americano tinha pleno conhecimento de que um ataque terrorista estava preste a ser deflagrado, senão vejamos:

  • Entre os dias 24 e 26 de outubro de 2000, um exercício de contingência chamado “The Pentagon Mass Casualty Project” (codinome Pentagon Mascal) foi realizado no Gabinete do Secretário de Defesa. O exercício mobilizou equipes de emergência, membros dos Serviços de Proteção e Defesa e funcionários do governo para a realização de simulações de emergência como forma de preparação para um possível choque de um avião contra o Pentágono. Durante o exercício, um acidente de avião foi simulado com um modelo em miniatura do Pentágono. O treino envolveu o uso de dispositivos de comunicação para melhorar a resposta de prontidão no transporte emergencial de feridos aos centros médicos. Modelos em miniatura de caminhões de brinquedo foram utilizados para simular veículos de transporte de emergência para as vítimas.
  • Em fevereiro de 2001, serviços secretos alemães, franceses, russos e israelenses emitiram dúzias de avisos da iminência de um ataque terrorista contra símbolos americanos. O antigo especialista em segurança da Casa Branca, Richard Clark, responsável por antiterrorismo, emitiu insistentes avisos de que Bin Laden desfecharia um ataque terrorista nos próximos meses. Todavia, estes foram solenemente ignorados pelo governo. Frustrado pela falta de medidas antiterrorismo, Clark pede demissão do cargo em junho.
  • Até setembro, a FAA (Federal Aviation Administration), autoridade aeroportuária dos Estados Unidos, envia um total de 105 relatórios diários de segurança, dentre os quais 52 mencionam o nome Osama Bin Laden e Al-Qaeda.
  • Em maio, duas empresas, a Tri-Service DiLorenzo Health Care Clinic e a Air Force Flight Medicine Clinic, ambas instaladas no Pentágono, simulam um cenário de emergência para o caso da queda no Pentágono de um avião 757 sequestrado.
  • Nos dias 1º e 2 de junho, o NORAD executa manobras militares sob o codinome “Amalgam Virgo”, simulando, entre outros exercícios, o ataque de aviões de passageiros sequestrados colidindo contra edifícios em Washington. Na capa do manual de manobras aparece a foto de Bin Laden.
  • O controle da decisão absoluta para o abate de aviões sequestrados é passado para o vice-presidente Dick Cheney.
  • Em 28 de junho, o ex-militar e conspiracionista Milton William Cooper, em seu programa de rádio “Hour of the Time”, alerta sobre a iminência de “um ataque terrorista encenado” e menciona o nome de Bin Laden como aquele que seria apontado como o autor quando não passaria de um bode expiatório. Em 5 de novembro, em circunstâncias nebulosas, Cooper acabou abatido a tiros em frente à sua própria residência pelo Sheriff-Deputy, aparentemente ao resistir ao mandato de prisão por sonegação de impostos.
  • Em julho, enquanto era tratado em um hospital norte-americano em Dubai com medidas emergenciais e com aparelho de diálise, Bin Laden conversa com o chefe local da CIA.
  • O informante do FBI Randy Glass, que atuava como comerciante de armas a mando do ATF (Alcohol, Tobacco, Firearms) e do FBI, mantém contato com um agente do serviço secreto paquistanês ISI (Inter-Services Intelligence) que quer comprar armas dele. Tratava-se de R. G. Abbas, que durante um jantar com Glass em um restaurante em Nova York, aponta para as Torres Gêmeas e diz: “Estas torres vão cair!” Glass fica tão preocupado com essa “predição” que envia um fax ao senador Bob Graham e a outros políticos para avisá-los sobre a iminente ameaça. Em 16 de julho, ele repete seu aviso e pergunta quais medidas estão sendo adotadas, mas não obtém resposta.
  • Agentes do FBI avisam Washington de que estudantes árabes andam frequentando cursos de pilotagem a fim de aprenderem a voar em um jumbo, sem que se mostrem, em contrapartida, interessados nos procedimentos de pouso. A central do FBI, porém, ordena a todos os agentes que não interfiram e deixem os suspeitos prosseguirem.
  • Pela primeira vez em sua história, por uma quantia de US$ 3,2 bilhões, a propriedade do complexo WTC muda de mãos, do Port Authority para Larry Silverstein, que em um evento da organização sionista UJA (United Jewish Appeal), trata de segurar os prédios contra ataques terroristas por US$ 3,5 bilhões.
  • O ministro do exterior do Talibã, Wakil Ahmed Muttawakil, avisa o Governo dos Estados Unidos de que um “grande ataque” aconteceria em breve dentro do próprio território norte-americano.
  • O radialista e conspiracionista Alex Jones fala ao vivo na TV em 25 de julho e anuncia que em breve aconteceria um ataque terrorista de falsa bandeira (false flag). Ele menciona o WTC e diz que o governo usaria o fato como um pretexto para deflagrar o seu Reichstagsbrand (o incêndio que os nazistas provocaram no Reichstag em 27 de fevereiro de 1933 para culpar os comunistas e permitir a Hitler reprimir os seus principais adversários políticos e montar um estado policial).
  • Em agosto, mais dois especialistas antiterror, igualmente frustrados com a falta de medidas para evitar ataques terroristas, pedem demissão.
  • A Casa Branca recebe um fluxo cada vez maior de relatórios dos serviços secretos alertando sobre o perigo de um ataque terrorista em que aviões sequestrados seriam usados. Um relatório trazia o título “Bin Laden determined to attack inside the US – Something really spectacular is going to happen here, and it s going to happen soon.”
  • O FAA avisa todas as linhas aéreas sobre um possível sequestro de aviões dentro dos Estados Unidos.
  • O presidente russo Vladimir Putin avisa os Estados Unidos sobre pilotos suicidas sendo treinados para o ataque.
  • A Agência Federal de Gerenciamento de Emergências [Federal Emergency Management Agency (FEMA)][2] alerta sobre um possível ataque terrorista em Nova York e exige medidas preventivas.
  • Hani Hanjour, o terrorista que supostamente teria pilotado o Voo 77 contra o Pentágono, é reprovado no teste e lhe é rejeitado alugar um pequeno avião, pois o instrutor duvida de sua habilidade após um voo de experiência.
  • O serviço secreto israelense Mossad avisa os Estados Unidos da iminência de um ataque terrorista.
  • Cofer Black, chefe do centro antiterror da CIA, diz em sua palestra diante do Ministério da Defesa: “We are going to be struck soon, many americans are going to die, and it could be in the US.”
  • Zacarias Moussaoui visita um centro de treinamento aéreo e voa no simulador de um 747-400. Depois de fazer algumas perguntas esquisitas sobre quanto combustível carrega esse tipo de avião e quanto dano poderia causar, os instrutores denunciam-no ao FBI, que chega a prendê-lo. Mas a central do FBI não mostra qualquer interesse e o acusa somente de ter imigrado ilegalmente.
  • A base militar em Fort Meade, entre Baltimore e Washington, executa pela primeira vez procedimentos rigorosos de segurança, justificados como medidas antiterroristas, e ninguém sai ou entra sem se identificar.
  • O especialista antiterror John O’Neill pede demissão do FBI porque não estava mais conseguindo fazer seu trabalho devido ao bloqueio continuado. Ele se muda para Nova York onde se torna chefe de segurança do WTC. Ele irá morrer no 11 de Setembro.
  • Os primeiros quatro sequestradores compram passagens de avião com seus nomes verdadeiros que constam na Watch-List, mas não são impedidos de voar.
  • O Walter Reed Army Medical Center (WRAMC) em Washington é evacuado parcialmente e modificado para uma grande operação de tratamento de muitos feridos.
  • Mohamed Atta compra sua passagem aérea embora seja procurado por dirigir sem carteira de motorista e de ter violado as condições do visto.
  • O presidente do Egito Hosni Mubarak avisa os Estados Unidos da proximidade de um ataque terrorista.
  • Dois terços de todos os caças baseados em Langley Air Force Base, que devem proteger Washington, são transferidos para manobras denominadas “Northern Guardian” na Islândia, Europa e Oriente Médio por vários semanas.
  • O Ministério dos Transportes executa manobras que simulam um sequestro de avião e prepara contra-medidas.
  • O diretor da CIA George Tenet visita em 24 de agosto o presidente Bush em seu rancho em Crawford, Texas, e o informa sobre o perigo de um ataque terrorista. Neste encontro estão presentes o ministro da Defesa Donald Rumsfeld e a conselheira para Segurança Nacional Condoleezza Rice.
  • Em 3 de setembro, Robert Mueller assume o cargo como novo diretor do FBI após a renúncia repentina e inexplicada de seu antecessor Louis Freeh.
  • Um dos dois engenheiros calculistas do WTC, Leslie Robertson, é questionado numa conferência em Frankfurt, em 3 de setembro, se ele havia previsto medidas construtivas contra um ataque terrorista. Ele responde: “Eu concebi as Torres de tal forma que elas podem aguentar o impacto de um 707.” De fato, as Torres foram os primeiros prédios civis que foram construídos especialmente para suportar uma ou mais colisões aéreas.
  • O Mossad envia mais um aviso em 4 de setembro.
  • No mesmo dia, a Zim-American Israeli Shipping Co. (empresa de mudanças 49% pertencente ao Estado de Israel) remove sua sede com 200 funcionários do 16º andar da torre do WTC para Norfolk, Virginia.
  • Três semanas antes do 11 de Setembro, inquilinos do WTC reportam um “apagão” planejado nas torres no final de semana anterior ao 9/11. Com isso, todos os dispositivos de segurança – incluindo as câmeras e os alarmes – permaneceram desligados. A execução desses trabalhos – uma première do desligamento completo da energia, algo inédito na história das Torres – foi justificada como renovação do cabeamento para internet.
  • O chefe do ISI, general Mahmood Ahmed, visita Washington e mantém conversas no Pentágono com o NSC (National Security Council), com o diretor da CIA George Tenet, com membros da Casa Branca e com Marc Grossman, subsecretário dos Estados Unidos para Assuntos Externos.
  • Em 5 de setembro, alguns dos terroristas são vistos jogando e se divertindo em um cassino flutuante da SunCruz Casinos em Madeira Beach, Flórida, em um comportamento incompatível com a de verdadeiros religiosos muçulmanos.
  • Medidas de segurança são intensificadas no WTC. Cães farejadores de explosivos são usados e controlados todos os veículos de fornecedores. No dia 6 de setembro, porém, todas as medidas são suspensas e os cães retirados.
  • O escritor Salman Rushdie não tem mais permissão para voar internamente nos Estados Unidos a partir de 6 de setembro. Diz-se que a FAA teria dito ao seu editor: “Há informações de que algo irá acontecer.”
  • Foram negociadas quantidades atípicas de títulos do tesouro de cinco anos, papéis excelentes quando acontece uma crise mundial e as ações caem. Apenas uma transação alcançou a cifra de US$ 5 bilhões. Na semana anterior ao 9/11, foram negociadas nas bolsas de todo o mundo grandes quantidades (cerca de US$ 15 bilhões) de put-options (uma aposta pela queda do preço de uma ação), principalmente as ações da American Airlines, United Airlines, diversas seguradoras e bancos.
  • O iraquiano Ali S. telefona várias vezes às autoridades norte-americanas para avisá-los da iminência de “um ataque terrorista que mudará o mundo”.
  • Uma semana antes do 9/11, Mohamed Atta recebe um pagamento no valor de US$ 100 mil. O depositante é Amed Omar Saeed Sheikh, um agente do ISI, que deposita o dinheiro em nome do chefe do ISI, general Mahmood Ahmed. Posteriormente, o vice-diretor do FBI, Dennis Lormel, responsável pelo setor de lavagem de dinheiro, confirma que eles seguiram o rastro do dinheiro e que este veio de um banco dos Emirados Árabes Unidos. A maior parte dos recursos financeiros da operação proveio da Arábia Saudita.
  • Os terroristas são vistos em Miami alcoolizados, esbanjando dinheiro num strip-bar e se gabando.
  • Na comunidade árabe e nas mesquitas em Nova York, correm rumores da iminência de um ataque à cidade, pelo que se recomenda a seus membros que se mantenham afastados das ruas.
  • Um estudante paquistanês da New Utrecht High School, no Brooklin, aponta para as Torres e diz aos seus colegas: “Olhem bem para estes prédios, pois nas próximas semanas eles não estarão mais lá.” O seu professor o denuncia à Polícia, a qual informa o FBI, mas nada foi feito.
  • São vendidas grandes quantidades de ações das seguradoras Munich Re, Swiss Re e AXA, ou seja, esperava-se a queda de suas cotações. Aumentam dramaticamente os negócios de put-option de empresas que têm sede nas Torres do WTC. O Morgan Stanley, que negocia em média 27 put-options por dia, passa a negociar 2.157. O Merril Lynch passa de 252 para 12.215. Dylan Ratigan, da Bloomberg Business News, comenta a propósito: “This would be one of the most extraordinary coincidences in the history of mankind if it was a coincidence.”
  • A direção da Warner Bros em Nova York é avisada pela sua central em Hollywood para deixar a cidade antes de 11 de setembro, pois “something big is happening that day”.
  • Em 6 de setembro, Mohamed Atta e outros terroristas visitam o Oklahoma City National Memorial Museum, onde é lembrado o ataque à bomba de Alfred P. Murrah em 1995. Um funcionário identifica, além de Atta, os outros quatro como sendo Abdulaziz Alomari, Saeed Algamdi, Ahmed Alnami e Hamza Algamdi. Ele se lembrava muito bem deles, já que não se comportaram de forma discreta, o que o obrigou até mesmo a chamar-lhes a atenção, após o que se retiraram.
  • Na noite de 7 de setembro, Atta e seus companheiros foram a um bar em Oklahoma City, onde beberam cerveja e aguardente, dançaram – comportamento que novamente não se coadunava com o de fanáticos religiosos muçulmanos – e brigaram com dois frequentadores costumeiros do local. Um dos cartões de crédito utilizados por Atta tinha a data de vencimento expirada há seis meses e mesmo assim foi aceito pelo sistema, o que normalmente é impossível.
  • Em 9 de setembro, o general Ahmed Shah Massoud, líder afegão da Aliança do Norte, é assassinado por dois agentes da Al-Qaeda que se passaram por jornalistas de TV marroquinos.
  • No mesmo dia, o NORAD inicia suas manobras “Operation Northern Vigilance” e transfere grande parte de seus aviões do leste dos Estados Unidos para o Alasca.
  • Ainda no mesmo dia, o prefeito de São Francisco, Willy Brown, que tinha um voo programado para Nova York, recebe um aviso para não voar nos próximos dias.
  • Em 10 de setembro, todos os principais generais recebem o mesmo aviso.
  • Neste dia, a FEMA chega a Nova York para um exercício contra catástrofes que iria realizar no dia seguinte em Manhattan. Donald Rumsfeld reporta em palestra que o Ministério da Defesa havia notado a falta de US$ 2,3 bilhões. Investigações posteriores da CBS dão conta de que isso representava cerca de 25% do orçamento anual da Defesa, quantia essa não contabilizada. Justamente o escritório que investigava a soma não contabilizada acabou sendo completamente destruído no ataque contra o Pentágono.
  • Silverstein Properties, a empresa de Larry Silverstein que alguns meses antes havia adquirido o WTC, cancela um meeting agendado para o dia seguinte no 88º andar da Torre Norte. Entre os assuntos a serem discutidos com os funcionários da Port Authority, estava o que deveria ser feito em caso de um ataque terrorista.
  • Bin Laden é levado em 10 de setembro ao hospital militar em Rawalpindi, Paquistão, para se submeter a uma diálise devido a uma insuficiência renal. Soldados paquistaneses o mantém sob custódia e substituem o pessoal local por outros de sua confiança. Assim, durante os ataques no dia seguinte, Bin Laden poderia ter sido preso sem qualquer resistência na cama do hospital.

Predições, premonições e avisos

Houve, com anos e até décadas de antecedência, um sem número de predições, premonições e avisos, revestidos de um maior ou menor grau de inteireza, a indicar o 9/11. A maioria parece ter sido feita por maçons e illuminatis conhecedores da Agenda motivados por aquele impulso que levam os psicopatas a deixarem pistas de seus crimes como um capricho ritual ou simples extravasamento de traços de sua personalidade. Não deixa de haver um toque doentio de humor negro e ironia poética nisso tudo, ainda que não se possa descartar que alguns tenham se imbuído do desejo sincero de encontrar meios de passar a verdade à população e, cientes dos riscos que corriam e do descrédito com que suas “profecias” seriam recebidas, não tiveram alternativa senão a de recorrer às instâncias subliminares. Como se costuma dizer, “mesmo uma meia-verdade é melhor do que nenhuma”.

Claro que houve também antevisões de caráter profético por parte de pessoas inspiradas tão somente por sua fé religiosa. Uma delas foi Ellen Gould White (1827-1915), fundadora do movimento Adventista Sabatista, que mais tarde veio a ser a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Seus escritos, de cunho restauracionista, procuravam mostrar a mão de Deus guiando os cristãos ao longo da história em meio a um conflito cósmico entre o bem (Deus) e o mal (Satanás). Em uma visão relatada em 1909, ela parece prever a destruição das Torres Gêmeas:

“Não tenho luz especial a respeito do que sobrevirá a Nova York, mas sei que um dia os grandes edifícios que estão ali serão demolidos pela ação construtiva e destrutiva do poder de Deus. […] Uma ocasião, achando-me eu na cidade de Nova York, fui convidada, à noite, para contemplar os edifícios que se erguiam, andar sobre andar, para o céu. Garantia-se que esses edifícios seriam à prova de fogo, e haviam sido erigidos para glorificar seus proprietários e construtores. […] A cena que em seguida passou perante mim foi um alarma de fogo. Os homens olhavam aos altos edifícios, supostamente incombustíveis, e diziam: ‘Estão perfeitamente seguros’. Mas esses edifícios foram consumidos como se fossem feitos de pez. Os aparelhos contra incêndios nada podiam fazer para deter a destruição. Os bombeiros não podiam fazer funcionar as máquinas.”[3]

Um grupo cívico contra a construção do WTC fez publicar na edição de 2 de maio de 1968 do jornal New York Times, uma propaganda quase de página inteira alertando que os novos edifícios iriam ser tão altos que um avião comercial poderia colidir com eles. O grupo, denominado Committee for a Reasonable World Trade Center, era composto principalmente por empresários do ramo imobiliário de Nova York preocupados com a saturação do mercado que o projeto de construção do WTC iria inevitavelmente provocar. Seu líder era ninguém menos do que o magnata do ramo imobiliário Lawrence A. Wien (1905-1988), proprietário do Empire State Building. E o que mostrava o anúncio? Nada menos do que um avião preste a colidir com uma das Torres Gêmeas…

A capa do livro do jornalista e escritor francês Robert Buchard (1931-), Thirty Seconds over New York (Trinta Segundos sobre Nova York), publicado em agosto de 1977 pela editora nova-iorquina Tower & Leisure Sales Co. (o livro foi lançado em 1969 pela editora A. Michel, de Paris, com o título de Trente Secondes sur New York), traz um oficial militar chinês e, acima dele, um avião comercial indo direto para o WTC. A história, no entanto, não diz respeito a terroristas islâmicos, e sim a terroristas comunistas chineses liderados pelo coronel Ni que tem um plano diabólico para destruir Manhattan usando um avião francês comercial carregado com uma bomba atômica. Buchard, formado em direito, participou ativamente nas campanhas de Suez e da Argélia.

No thriller parapsicológico The Medusa Touch (O Toque da Medusa), de 1978, baseado na novela homônima do escritor britânico Peter van Greenaway (1929-1988) e dirigido por Jack Gold, Richard Burton interpreta o escritor inglês John Morlar, um homem atormentado pela revelação de que ele seria o culpado por todos os males do mundo. Morlar morre brutalmente assassinado. Brunel, um detetive francês (Lino Ventura) em um programa de intercâmbio em Londres, é designado para investigar o caso. Ao examinar a cena do crime, no entanto, Brunel constata que Morlar ainda está vivo apesar de seus graves ferimentos. Brunel reconstrói a vida passada de Morlar que, vista em flashback, está cheia de catástrofes inexplicáveis ​​e mortes súbitas de pessoas que o contrariaram ou o ofenderam.

Como fica demonstrado, Morlar é um paranormal dotado de extraordinários poderes telecinéticos que o permitem matar ou causar terríveis catástrofes. Desgostoso com o mundo, Morlar havia recentemente provocado a colisão de um avião contra um edifício de escritórios em Londres e a perda de uma nave espacial tripulada. Sua psiquiatra, a doutora Zonfeld (Lee Remick), é quem havia tentado matá-lo fincando em seu crânio um objeto pontiagudo de modo a impedi-lo que matasse os astronautas da nave espacial.

Pôsteres e fotos promocionais do filme mostram um enorme avião de passageiros colidindo contra um edifício, em incrível antecipação ao 9/11. Uma foto mostra técnicos no Pinewood Studios com modelos em escala de um Boeing 747 e um arranha-céu criando a sequência da colisão. Por “coincidência”, naquele mesmo ano de 1978, Isser Harel (1912-2003), o ex-chefe do Mossad, “previu” que terroristas árabes fariam um atentado contra a torre mais alta de Nova York.

O Toque da Medusa foi produzido pelo produtor de cinema e televisão israelense Arnon Milchan (1944-), que em 1991 criou sua própria companhia produtora, a New Regency Productions. Desde 1977, Milchan produziu mais de 120 filmes, entre eles The King of Comedy (1983), Once Upon a Time in America (1984), Brazil (1985), Pretty Woman (1990), JFK (1991), Natural Born Killers (1994), L. A. Confidential (1997), Fight Club (1999), Daredevil (2003), Stay (2005) e Noah (2014). Os mais frequentes colaboradores de Milchan são Martin Scorsese, Robert De Niro, Roman Polanski, Sergio Leone, Terry Gilliam e Oliver Stone. Em 2013, Milchan ocupava o posto 290 de homem mais rico do mundo da revista Forbes, com uma fortuna estimada em US$ 4,2 bilhões.

Cidadão israelense com residência em Israel, Milchan foi agente do Mossad de meados da década de 60 até meados de 80. A denúncia de envolvimento de Milchan com o tráfico de armas e atividades de Inteligência foi feita em 1985 por Richard Kelly Smyth, um executivo aeroespacial que teria realizado transferências ilegais através de uma das empresas de Milchan.

Os biógrafos Meir Doron e Joseph Gelman confirmaram as denúncias em seu livro Confidential: The Life Of Secret Agent Turned Hollywood Tycoon (Confidencial: A Vida do Agente Secreto que se Tornou um Magnata de Hollywood), publicado em julho de 2011.[4] Suas atividades incluíam a “compra de componentes para construir e manter o arsenal nuclear de Israel” e a “utilização de empresas de fachada para financiar operações da Inteligência de Israel no estrangeiro”.

Indagado sobre as atividades de Inteligência de Milchan, Shimon Peres (1923-), primeiro-ministro de 1984 a 1986, de 1995 a 1996 e presidente de Israel de 2007 a 2014, declarou:

“Arnon é um homem especial. Fui eu quem o recrutou. Quando eu estava no Ministério da Defesa, Arnon foi envolvido em inúmeras atividades de aquisição relacionadas com a Defesa e operações de Inteligência. Sua habilidade está em fazer conexões nos níveis mais altos. Suas atividades nos deram uma enorme vantagem em termos estratégicos, diplomáticos e tecnológicos.”[5]

Na capa de Images at Twilight, segundo álbum de estúdio da banda canadense de rock progressivo Saga (formada em 1977), lançado em outubro de 1979, as Torres Gêmeas aparecem em ruínas em meio a um cenário futurístico-apocalíptico. Uma criatura alada sobrevoa Manhattan segurando a parte superior do Empire State Building.

Na comédia Trading Places (Trocando as Bolas), de 1983, com roteiro de Herschel Weingrod e Timothy Harris (baseado no livro O Príncipe e o Mendigo, de Mark Twain) e direção de John Landis, os ponteiros de um relógio dentro da Bolsa de Valores no World Trade Center marcam 9 (ponteiro menor) e 11 (ponteiro maior), como que a indicar 9/11. Várias outras cenas deste filme com Eddie Murphy, Dan Aykroyd e Jamie Lee Curtis também fazem alusões subliminares ao 9/11.

Com o 35º aniversário de Mortadelo e Filemon (Mortadelo e Salaminho) em 1993, as Ediciones B decidiram presentear Francisco Ibáñez Talavera (nascido em Barcelona em 1936), o ilustre criador dos personagens, com uma estatueta de sua egrégia efígie. Na capa de Las Aventuras de Mortadelo y Filemon: El 35 Aniversario, vê-se uma estátua em homenagem a Ibáñezerguida bem ao ladoda Estátua da Liberdade, e em segundo plano, um avião se chocando contraa Torre SuldoWorld Trade Center…

A capa de The Sun Rises in the East (O Sol Nasce no Leste), álbum de estreia do rapper norte-americano Kendrick Jeru Davis, mais conhecido como Jeru the Damaja (1972-), lançado em 24 de maio de 1994 pela PayDay Records, retrata as Torres Gêmeas em chamas.

Uma das cartas intitulada “Terrorist Nuke” (“Ataque Terrorista”), do jogo TCG (Tranding Card Game) Illuminati New World Order (INWO), desenvolvido a partir de 1990 e lançado no mercado em 1995 pelo projetista de jogos norte-americano Steve Jackson (1953-), fundador da S. J. Games (cujo logotipo é uma pirâmide illuminati com o olho que tudo vê), traz o desenho da Torre Sul do WTC atingida e pegando fogo no mesmo ponto em que o Boeing 767 colidiria naquele 11 de setembro. Ao fundo da carta, no canto inferior esquerdo de uma das Torres Gêmeas, aparece um edifício com o símbolo da pirâmide illuminati. Outra carta intitulada “Pentagon”, mostra o Pentágono atingido e pegando fogo, lembrando que o pentágono é um símbolo ocultista infinito – o centro de um pentagrama e um pentagrama se encaixa perfeitamente dentro de um pentágono.

Diversas outras cartas trazem desenhos e textos curtos que descrevem eventos relacionados a conflitos, guerras, armas de destruição em massa, assassinatos, genocídios, bioterrorismo, epidemias, desastres, crises, anarquia, controle mental, etc. que também vieram a acontecer – como o “acidente” na usina nuclear de Fukushima em 11 de março de 2011 –, indicando que os Illuminati escrevem a história seguindo uma Agenda pré-programada com anos e até décadas de antecedência. Uma outra carta intitulada “Population Redution” (“Controle Populacional”, em alusão ao plano geral da Elite Illuminati de reduzir dramaticamente a população global), igualmente sugere a destruição das Torres Gêmeas, já que nela a cidade aparece sem as Torres e com o Empire State Building sendo novamente o edifício mais alto.

Além disso, a fumaça que sobe do lugar onde se encontravam as Torres Gêmeas forma a cara de um demônio, o que é altamente significativo, e por diversas razões. Não poucas fotos das torres em chamas mostram caras de demônios. Os cépticos trataram logo de ridicularizar essas “coincidências” atribuindo-as a pareidolias. Entretanto, dois ex-satanistas disseram que aquelas caras pareciam-se com os demônios que eles viam nos rituais em que tais entidades se manifestavam materialmente nesta dimensão. Cisco Wheeler, uma sobrevivente dos programas de controle mental do governo e dos serviços secretos, disse que alguns dos demônios mais poderosos eram conhecidos como “Demônios do Fogo”, os mesmos aos quais os povos antigos sacrificavam seus filhos quando os ofereciam a Moloch.

O aparecimento das caras desses demônios é um indício de que o ataque às Torres Gêmeas foi na verdade um Ritual de Sacrifício do Fogo, um perfeito Sacrifício Satânico pelo Fogo perpetrado pela Elite Maçônica-Illuminati. Uma das caras é quase idêntica a de um demônio do zoroastrismo, Ahriman (Arimã), o Senhor das Trevas, o Senhor de Todos os Devas (deuses malignos), em oposição a seu irmão, Ahura Mazda. Ahriman deseja levar os homens à devassidão e corrupção e cegar os homens que buscam a verdadeira visão. Seus métodos são vis e enganadores e ele corrompe os homens com desejos mundanos que os desviam da “trilha verdadeira”. Seu semblante era sinistro e ele trajava uma armadura de cujas ombreiras saíam serpentes vivas que envenenavam todos aqueles que procuravam pela pureza.

O arquétipo do Satã judaico-cristão deriva de Ahriman, o ego que inclina os homens a prazeres fúteis e os afasta de tudo o que é bom. Segundo Joseph Campbell, o zoroastrismo foi o primeiro monoteísmo ortodoxo amplamente aceito, pois foi o primeiro a ser adotado oficialmente por um grande império, que era o império persa. Em entrevista concedida em 7 de maio de 1923, o fundador da antroposofia Rudolf Steiner[6] explicou que a época que vai de 8.000 a.C. até a vinda de Cristo, foi uma época luciférica, e que de Cristo até nossos dias, tem sido uma época arimânica. Steiner afirmou ainda que Cristo não é o que as religiões cristãs comumente descrevem, já que na verdade “queria dar à humanidade ensinamentos que permitiriam às pessoas ‘equilibrar’ as tendências luciféricas e arimânicas opostas”. “O verdadeiro sentido do cristianismo”, nas palavras de Steiner, “reside na busca por este equilíbrio”.

A capa do LP Disappearing, Inc., da banda Bone Machine, lançado em 1996, mostra as Torres Gêmeas rachadas e prestes a desabar. Em entrevista concedida em março de 2013 a Marcelo Vieira do site Van do Halen, o vocalista e baterista norte-americano Ted Poley (1964-), que após sair da banda de hard-rock Danger Danger (formada em 1987 em Queens, NY) formou o Bone Machine, disse ter “poderes psíquicos” (sic!) e que previu o ataque ao WTC anos antes dele acontecer: “Quando aconteceu, pensei que estaria encrencado, mas de forma alguma fiquei surpreso. Previ os atentados em um sonho e a prova disso é a capa de Disappearing, Inc. Obviamente, as prensagens lançadas após o 9/11 trazem outra capa.”

Entre as muitas esculturas retratando destruições nas paredes laterais da Catedral de São João, o Divino (Cathedral of Saint John the Divine), na diocese episcopal da cidade de Nova York, na ilha de Manhattan, veem-se imagens das Torres Gêmeas rachadas e desabando. Ocorre que elas foram colocadas lá quatro anos antes do 11 de Setembro. Não por acaso, o nome da Catedral é São João Evangelista, autor do Livro do Apocalipse. Originalmente projetada em 1888 em estilo neorromânico-neobizantino pela empresa de arquitetura nova-iorquina Heins & LaFarge [dos arquitetos George Lewis Heins (1860-1907) e Christopher Grant LaFarge (1862-1938)], foi sendo modificada até que em 1909 o arquiteto Ralph Adams Cram (1863-1942) lhe conferiu o definitivo estilo neogótico.

Com 183,2 metros de comprimento, 70,7 metros de altura e ocupando uma área de 11.200 m2, a Catedral de São João, o Divino, é a maior igreja anglicana junto com a Catedral de Liverpool, e a quarta maior igreja cristã do mundo. A pedra fundamental foi lançada em 27 de dezembro de 1892, dia de São João Evangelista (o do Apocalipse), e a inauguração se deu em 30 de novembro de 1941 (uma semana antes do bombardeio de Pearl Harbor), mas as obras continuam até hoje, daí ser chamada também de “São João Inacabada” ou “Interminável”.

Ao lado da Catedral está a “Fonte da Paz” (“The Peace Fountain”), obra executada em 1985 pelo escultor norte-americano Greg Wyatt e que inclui o Jardim de Esculturas das Crianças (The Children’s Sculpture Garden), com esculturas de crianças do jardim de infância até o ensino médio que foram selecionadas em um concurso público em 1985. Uma placa traz a seguinte explicação:

“A Fonte da Paz celebra o triunfo do Bem sobre o Mal e coloca diante de nós o mundo de forças opostas – violência e harmonia, luz e trevas, vida e morte – que Deus reconcilia em Sua paz. Quando a fonte jorra, quatro cursos de água em cascata fluem para o pedestal da liberdade em um redemoinho que evoca o caos primordial da Terra. Em torno da base quadrangular, chamas da liberdade ascendem em testemunho para o futuro. Ascendendo da piscina, o pedestal da liberdade tem o formato da dupla hélice do DNA, a molécula fundamental da vida. No topo do pedestal, um caranguejo gigante nos lembra a origem da vida no mar em luta. De frente para o Oeste, uma Lua sonolenta reflete a tranquilidade de um Sol alegre, sorrindo para o Leste. Os redemoinhos que circundam os corpos celestes evidenciam os amplos movimentos do cosmo do qual a vida na Terra é continuidade. Nove girafas – o mais pacíficos dos animais – se aconchegam e empinam-se em direção ao centro. Um repousa sua cabeça sobre o peito do alado Arcanjo Miguel, descrito na Bíblia como o líder da milícia celestial contra as forças do Mal. A espada de São Miguel sobrepuja seu principal adversário, Satanás, cuja decapitada figura mergulha nas profundezas com a cabeça pendendo sob a garra de um caranguejo. Escondidos próximos ao Sol, um leão e um cordeiro descansam juntos na paz do Reino de Deus, conforme predito pelo profeta Isaías.”

O pintor peruano Boris Vallejo (1941-) antecipou-se ao 9/11 em 1997 em sua pintura a óleo Eahnah’s Window. O texto que o acompanha diz:

“The Sagas of A Fwa Nes: Eahnah, chamada de bruxa por alguns e mestre-cientista por outros, aperfeiçoou umdispositivo queela chama de ‘janela’, o qual permiteque ela fique em segurança em FwaNes enquanto observauma certa área da Terra. A ‘janela’ se localiza próxima a uma fratura no tecidodo espaço-tempo […] Infelizmente,e, ironicamente,o calor liberadoprovocará uma novaIdade do Gelo em poucos anos.”

Pela “janela”, não muito diferente de uma bola de cristal, vemos uma das Torres Gêmeas em chamas.

Ainda em 1997, quatro anos antes, portanto, do 9/11, o Bradesco apresentou sua nova identidade visual cheia de simbolismos, criada pela agência de comunicação norte-americana Landor Associates. Até então, sua logomarca era all type, ou seja, constituída apenas pela tipografia usada na escrita do nome do banco. A nova mostra duas torres tendo sobre elas dois rastros cruzados como os de aviões em rota direta de colisão, deveras semelhante aliás ao da rede de hotéis Hilton.

No filme inaugural da trilogia Matrix, dos irmãos Wachowski, há uma cena em que Thomas A. Anderson (programador da companhia de software Metacortex), apelidado de Neo (Keanu Reeves) nos meios hacker, um dos bilhões de seres humanos adormecidos e neuralmente conectados a Matrix (que é exatamente este nosso mundo simulado e feito de simulacros em que vivemos ou pensamos viver), é interrogado pelo agente Smith (Hugo Weaving), que lhe mostra um dossiê com vários documentos, entre eles a cópia de seu passaporte. Ocorre que a data de validade do dito cujo é o histórico 11/09/2001, ou seja, o passaporte de Neo, no filme de 1999, expirava em 11 de setembro… Esta data pode ser vista claramente quando a imagem é congelada no exato momento em que o documento é exibido.

Em 30 de agosto de 2000, durante a sua turnê mundial, a banda de metal progressivo norte-americana Dream Theater, formada em 1985, gravou no Roseland Ballroom, em Nova York, o DVD Live Scenes from New York. O show, uma superprodução de 3 horas e meia com direito a corais, convidados e telão, seria lançado com um CD triplo. Entretanto, a data do lançamento coincidiu com os atentados de 11 de setembro, e, mais “coincidência” ainda, a capa do CD trazia as Torres Gêmeas imersas em chamas. Todos os CDs foram recolhidos e a capa refeita, trazendo no lugar das Torres o símbolo da banda.

Série derivada (spin-off) do sucesso de The X-Files (Arquivo X), criada por Chris Carter, The Lone Gunmen (Os Pistoleiros Solitários), em seu episódio piloto levado ao ar pela Fox em 4 de março de 2001, foi o que antecipou de forma mais direta, explícita e indubitável os atentados ao WTC que ocorreriam pouco mais de seis meses depois. A série criada por Carter, Vince Gilligan, John Shiban e Frank Spotnitz (roteiristas, produtores e diretores de Arquivo X), gira em torno do trio geeky de teóricos da conspiração Melvin Frohike (Tom Braidwood), John Fitzgerald Byers (Bruce Harwood) e Richard Langly (Dean Haglund), editores da revista The Magic Bullet (A Bala Mágica), que em Arquivo X costumavam pôr as suas habilidades hackers a serviço dos agentes especiais do FBI Fox Mulder (David Duchovny) e Dana Scully (Gillian Anderson).

Neste pouco ou nada sutil episódio de estreia, uma obscura facção do Departamento de Defesa coloca em ação o “Cenário 12D”, um avançado software que permitia tomar por controle remoto os comandos de um Boeing 727 em pleno voo – embora na época a maioria dos 727s ainda não fossem equipados com sistemas computadorizados digitais e os computadores analógicos não eram passíveis de serem utilizados para controlarem remotamente tais aeronaves. A finalidade era simular um “ataque terrorista a um voo de linha aérea doméstica” e com isso jogar a culpa em “terroristas estrangeiros” de modo a forçar o aumento dos gastos do governo com a indústria armamentista. Na cabine de comando do Boeing, o piloto vê surgir na tela a mensagem “acesso remoto detectado”, ao que vai perdendo o controle do avião que ruma precisa, direta e perigosamente para as Torres Gêmeas do WTC. Em uma das cenas, Bertram Byers, egresso do Departamento de Defesa, diz ao seu perplexo filho John Fitzgerald Byers:

 A Guerra Fria acabou, John. Mas sem inimigos declarados que justifiquem o comércio de armas, o mercado fica estagnado. Mas derrube um 727 com o tanque cheio sobre a cidade de Nova York e você irá descobrir uma dúzia de ditadores espalhados pelo mundo clamando para assumir a responsabilidade e suplicando para que os ataquem. […] Eles vão jogar o avião contra o World Trade Center.”

A “premonitória” série foi cancelada ainda na metade do primeiro ano e teve apenas treze episódios, o último deles levado ao ar em 1º de junho.

De autoria de Tim Gabor, a capa da edição de 12 de março de 2001 (volume 34, nº 10) da revista New York Magazine, editada pela New York Media, mostra as Torres Gêmeas em um plano justaposto com uma mulher em expressão de terror e a questão ambígua referente ao crescimento do mercado imobiliário: “Há vida para além do boom?”

A capa do CDr live 07.04.1462, do grupo alemão de música eletrônica experimental tele trieste, ‎lançado em junho de 2001 em tiragem limitada de apenas cem cópias – distribuídas e vendidas exclusivamente pela Recordshop de Berlim –, mostra dois aviões ao lado das Torres Gêmeas. Depois do 9/11, uma estação de TV dos Estados Unidos exibiu a capa e a corrida às poucas cópias do CDr começou novamente.

Um game criado em Macromedia Flash chamado “Trade Center Defender” fazia parte do “Angelfire Arcade”, uma área de jogos para download gratuito no Angelfire, um site hospedado na Lycos, Inc. O objetivo do jogador era abater um fluxo interminável de jatos que ameaçavam atingir as Torres Gêmeas. Quando um avião batia, acontecia um estrondo, chamas surgiam, e parte da torre caía sobre si mesma, ou seja, o mesmo que aconteceu com as Torres Gêmeas em 11 de setembro. A Lycos deletou o jogo do site em 13 de setembro de 2001, dois dias após os ataques.

Party Music (Partido da Música), o quarto álbum do grupo californiano de hip hop “político” – assumidamente comunista – The Coup (O Golpe), formado em 1991, estava programado para ser lançado no início de setembro de 2001, mas o lançamento foi adiado até novembro de 2001 devido a arte da capa (criada em junho de 2001) que trazia Boots Riley e Pam the Funkstress destruindo as Torres Gêmeas usando um afinador de guitarra cromático digital Covert-Labs à guisa de detonador. Em entrevista ao jornal de Seattle The Stranger, Boots Riley comentou a respeito: “Tem havido uma farsa na mídia ao longo dos últimos tempos sobre o papel dos Estados Unidos no mundo, e o fato é que eles matam milhares de pessoas por ano para proteger seus lucros. Agora, como eu poderia denunciar as mentiras que a CBS, a CNN, a NBC e todo mundo está dizendo? Para mim, seria mantendo a capa original.”[7]

A invasão do Iraque e a morte de Bin Laden

Em 19 de março de 2003, os Estados Unidos invadem o Iraque, dia que, naquele ano, de acordo com o calendário judaico, correspondia ao “Dia de Purim”, quando os judeus comemoram a vitória sobre a antiga Babilônia, atualmente dentro das fronteiras do Iraque, e que marca também o tempo em que os judeus são incentivados a obter vingança sangrenta contra seus inimigos. Igualmente significativo é que o dia 16 de janeiro de 1991, quando os Estados Unidos encerraram a primeira invasão do Iraque abatendo cerca de 150 mil iraquianos, de acordo com o calendário judaico daquele ano correspondia também ao Dia de Purim, o qual é celebrado anualmente no 14º dia do mês hebraico de Adar, o dia seguinte à vitória dos judeus sobre seus inimigos (13 de Adar).

Logo após a divulgação da notícia da morte de Osama Bin Laden (nascido em 1957) em 1º de maio de 2011, vários jornais publicaram em sua versão online uma imagem distribuída por uma emissora paquistanesa. Ocorre que essa imagem já circulava na internet há dois anos. Mesmo assim, os sites dos jornais Daily Mail, Sunday Times, Daily Telegraph, The Sun e The Mirror, todos da Grã-Bretanha, publicaram a foto. A imagem foi inicialmente publicada em 29 de abril de 2009 pelo jornal online themediaonline.org, que tem sede no Oriente Médio. Junto da foto havia um aviso de que era “impossível checar sua veracidade”. A foto na verdade é baseada em uma imagem de Bin Laden datada de 1998 e usada pela agência Reuters, que sofreu alterações gráficas antes de ser publicada pelo themediaonline.org.

Em 7 de maio de 2011, o governo divulgou cinco vídeos encontrados no complexo de Bin Laden em Abbottabad, no Paquistão. O primeiro era uma mensagem inédita que Bin Laden havia dirigido para os Estados Unidos, filmada entre 9 de outubro e 5 de novembro de 2010. O segundo, com um minuto de duração, mostra Bin Laden assistindo a si mesmo na TV e segurando o controle remoto para mudar os canais entre o que parecem ser canais de notícias árabes. Os outros três vídeos parecem ser sessões de treinos, possivelmente para o primeiro vídeo. Em cada um deles ele parece tropeçar em seu discurso, parar e começar de novo. Porém, conforme ficou comprovado, o personagem que aparece nesses vídeos não passava de um sósia de Bin Laden.

Com tantas fraudes referendadas pelo governo, fica difícil acreditar na versão oficial de que o líder-fundador da Al-Qaeda tenha sido capturado e morto em um esconderijo nos arredores da cidade paquistanesa de Abbottabad por forças da Joint Special Operations Command em conjunto com a CIA, até porque seu cadáver, convenientemente sepultado no Mar Arábico, jamais foi mostrado ao público.

Atentado de falsa bandeira e o grande engano da família Bush

No dia 2 de fevereiro de 2013, Philip Marshall, de 54 anos, pesquisador, escritor e ex-piloto da CIA, conhecido como investigador dos Atentados de 11 de Setembro, foi encontrado morto em sua casa em um condomínio fechado de Meadows Forrest, no condado de Calaveras, na Califórnia, com seus dois filhos, Micalia, de 14 anos, e Alex, de 17 anos, em uma espécie de “suicídio coletivo” que não deixou nem o cão de fora. Sean Marshall, sua ex-esposa, se encontrava viajando na ocasião. Segundo amigos da família, ele se sentia ameaçado e com medo desde a publicação no ano anterior do livro The Big Bamboozle: 9/11 and the War on Terror (O Grande Engano: 9/11 e a Guerra ao Terror), em que acusava incisivamente o Governo dos Estados Unidos pelos ataques. Marshall estava convencido de que George W. Bush havia programado o 9/11 para fortalecer a posição da cúpula norte-americana. Em 2008 ele já havia publicado o livro False Flag 911: How Bush, Cheney and the Saudis Created the Post-911 World (Falsa Bandeira 911: Como Bush, Cheney e os Sauditas Criaram o Mundo Pós-911).

Em um comunicado distribuído em 2012, Marshall disse:

“Pense nisso. A versão oficial de um fantasma (Osama Bin Laden) em uma caverna do outro lado do mundo derrotando todos os nossos militares em solo americano é totalmente absurda. Os ataques foram bem sucedidos porque houve uma operação militar coordenada que envolveu o treinamento dos sequestradores para pilotarem aviões comerciais de grande porte. Temos dezenas de documentos do FBI para provar que os treinamentos foram realizados na Califórnia, Flórida e Arizona nos 18 meses que antecederam os ataques.”

Wayne Madsen, ex-funcionário da NSA e jornalista investigativo, especializado em operações internacionais de inteligência, descartou a hipótese de suicídio de Philip Marshall e de seus dois filhos. Madsen concluiu que eles foram assassinados numa operação secreta da CIA. A hipótese de suicídio seria inviável, entre outros motivos, porque a bala que matou Philip entrou pela têmpora esquerda, sendo que ele não era canhoto.

Inúmeros indícios, por demais nítidos e estarrecedores, apontam a vinculação direta da família Bush com os planejadores e executores dos atentados. Em primeiro lugar, o 9/11 ocorreu exatamente 11 anos depois que o presidente George Herbert Walker Bush anunciou em seu discurso “Toward a New World Order” (“Rumo a uma Nova Ordem Mundial”), lido durante uma sessão do Congresso em 11 de setembro de 1990, o advento da Nova Ordem Mundial em que os Estados Unidos exerceriam o papel de “polícia” global, e a ONU, de juiz mundial.

Desde 1993, após o atentado contra o WTC em 26 de fevereiro (quando um carro-bomba foi detonado por terroristas árabes islâmicos financiados por Khaled Shaikh Mohammed, membro da Al-Qaeda, no parque de estacionamento subterrâneo por baixo da Torre Um, resultando na morte de 6 pessoas e deixando 1.042 feridas, sendo que a intenção era devastar as fundações da Torre Norte para que colapsasse em cima da Torre Sul), a empresa de segurança Securacom/Stratesec era encarregada da segurança geral das Torres. O diretor da empresa até 2000 tinha sido Marvin Bush, nada menos do que o irmão do presidente, após o que assumiu Wirt D. Walker III, um parente da família Bush que até 2002 ocupava uma elevada posição na empresa. Securacom não era responsável pela segurança apenas do WTC, mas também da United Airlines no Aeroporto Dulles em Washington, de onde partiu o Voo 77.

A decisão do presidente George W. Bush de manter a visita que faria à escola primária na Flórida mesmo estando ciente de que o seu país estava sob ataque e ainda permanecer impassível diante dos alunos após ser notificado pelo seu chefe de gabinete do choque do segundo avião com a Torre Sul, só é incompreensível para quem desconhece que o seu papel naquele momento era exatamente este, ou seja, o de imiscuir-se de suas funções e dissuadir qualquer interferência.

Seria por mero acaso que enquanto fingia que tudo corria na mais perfeita paz, que Bush segurasse o livro didático Mastery II: Storybook 1, de Siegfried Engelmann e Elaine C. Bruner, aberto justamente na página da história infantil “The Pet Goat” (“O Bode de Estimação”)?[8] O bode, um símbolo muito poderoso no satanismo e na magia negra, associado na Maçonaria ao Baphomet (deus pagão da fertilidade) ou Bode de Mendes (cidade do Antigo Egito onde o culto à fertilidade era praticada) adorado pelos Cavaleiros Templários, é uma paródia, uma zombaria do papel de Jesus como o cordeiro. Em Israel, os pecados das tribos eram de forma cerimonial levados na cabeça de um bode. Esse “bode expiatório” representava o deus cornuto Azazel, “O Mensageiro do Senhor”, um redentor divino que carregava os pecados da humanidade sobre ele e os expiava com seu exílio e/ou morte. Ao mesmo tempo, portanto, em que estaria prestando homenagem a Satanás simbolizado pelo bode, Bush estaria também cifradamente passando a mensagem de que, assim como os judeus tinham a prática da “expiação dos pecados” através dos bodes, para todos os efeitos os terroristas muçulmanos estavam cumprindo perfeitamente o papel de “bodes expiatórios”.

A ciência e a magia dos números

Além de astros, ídolos e animais, os ocultistas adoram a ciência e a matemática subjacente à ciência. Eles acreditam que os números possuem um poder inerente. As propriedades místicas dos números foram desenvolvidas por Pitágoras e Platão, e a ciência da matemática esotérica passou dos gregos para os cabalistas, que a transmitiram aos místicos ocidentais. Todo movimento, proporção, tempo e, enfim, toda noção de quantidade e harmonia podem ser representados por números; segue-se que tudo aquilo que pode ser atribuído a estes pode também ser expresso por números, como símbolos de virtudes e leis ocultas. Os filósofos sabem que os movimentos da natureza são rítmicos; os médicos já observaram este fato na periodicidade das doenças.

A gematria, ou primeira divisão da Cabala, ensina como atribuir valores numéricos às letras de certas palavras e tirar conclusões da proporção entre a soma de um texto e a soma de outro. Um dos maiores ocultistas e satanistas da história, o cabalista, teosofista, rosacruz e maçom inglês William Wynn Westcott (1848-1925), co-fundador em 1887 da Hermetic Order of the Golden Dawn com Samuel Liddell MacGregor Mathers (1854-1918) e William Robert Woodman (1828-1891), assim explica a ciência oculta dos números:

“Os seguidores de Pitágoras referenciavam cada objeto, planeta, homem, ideia e essência a algum número de um modo que para a maioria dos modernos pode parecer curioso e místico ao extremo. ‘Os numerais de Pitágoras’, diz Porfírio, que viveu por volta de 300 a.C., ‘eram símbolos hieróglifos, por meio dos quais ele explicava todas as ideias concernentes à natureza das coisas’, e o mesmo método numérico de explicar os segredos da natureza está novamente sendo suportado na nova revelação da ‘Doutrina Secreta’, de Helena Blavatsky. ‘Os números são uma chave para as antigas visões da cosmogonia – em seu sentido mais amplo, espiritual e fisicamente considerada, à evolução da presente raça humana; todos os sistemas de misticismo religioso estão baseados nos numerais. O sagrado dos números inicia com a Grande Primeira Causa, o Único, e termina somente com o zero – símbolo do universo infinito e sem limites’.”[9]

A obsessão pelo número 11

A data de 11 de setembro não foi escolhida por motivos puramente práticos ou estratégicos, mas por comportar um sem número de significados mágicos, esotéricos, ocultistas e cabalistas que analisaremos agora. Historicamente essa data tem sido preferida para marcar alguns grandes eventos:

  • Em 11 de setembro de 1609, o navegador e explorador inglês Henry Hudson (1550-1611) velejou pelo Porto de Nova York e descobriu a ilha de Manhattan e o Rio Hudson, o mesmo local em que as Torres Gêmeas foram construídas.
  • 11 de setembro de 1777 foi o primeiro dia em que a bandeira dos Estados Unidos foi usada em uma batalha, em Brandywine, Delaware County, Pennsylvania. Os ingleses derrotaram os norte-americanos comandados por George Washington, mas a bandeira “Glória Antiga” foi erguida aos ares pela primeira vez.
  • Quando os Illuminati encerraram a Primeira Guerra Mundial em 1917, haviam acabado de completar a primeira guerra do plano ocultista de Albert Pike (1809-1891) para produzir o Anticristo. Por celebrar isso, deliberadamente terminaram a guerra no mês 11, no dia 11 e às 11 horas da manhã. A assinatura do armistício esteve, portanto, envolvida por três onzes!
  • Em 11 de setembro de 1941 começou oficialmente a construção do Pentágono. Sessenta anos depois desse dia, o Pentágono foi atacado.
  • O número 6 também é muito importante para o ocultista porque é o “número do homem”: o número do governo humano perfeito é o 66, e o número do líder mais perfeito de todos os tempos, o Anticristo, é o 666. Os Aliados poderiam ter invadido a Normandia muito antes da data que entrou para a história como o “Dia D”, o que provavelmente teria poupado a vida de milhares de soldados e encurtado a duração da guerra, mas preferiram deliberadamente adiar até 6 de junho de 1944, sem que houvesse um motivo lógico-estratégico aparente. A lógica residia no significado ocultista dos números, pois junho é o sexto mês do ano, o que se somava ao sexto dia do mês, e que se somavam aos algarismos do ano 1944 que, somados, davam 18 (6+6+6). Destarte, a invasão que inverteu o curso da guerra a favor dos Aliados e colocou a história na linha de eventos em que nos encontramos, se deu em uma data que perfazia um duplo 66 e um triplo 666.
  • Quando os Illuminati assassinaram o presidente Kennedy, ele foi morto de acordo com o número de assinatura ocultista: o 11. Ele foi assassinado em novembro (mês 11), no dia 22 (11+11), na maçônica Praça Dealey, em Dallas, Texas, uma cidade próxima do paralelo 33 (11+11+11). Em 11 de setembro de 1972, durante a Olimpíada de Munique, 11 atletas israelenses foram mortos. 121 países participavam daquela Olimpíada (11×11=121). Exatamente 29 anos depois (2+9=11), outro evento ainda mais vil ocorreu: os Atentados Terroristas de 11 de Setembro.

Apenas em relação a esta data, há pelo menos 18 “coincidências” confluentes que resultam no número 11:

  1. O primeiro 11 é formado pelo dia em que a tragédia ocorreu: 11 de setembro.
  2. O segundo 11 é formado pela adição do número do mês 9 com o dia 11 (9+1+1), que resulta em outro 11.
  3. O terceiro 11 é formado pelo número do voo do primeiro avião que bateu na Torre Norte do WTC: O Voo 11 da American Airlines.
  4. O quarto 11 é formado pelo número do voo do avião que bateu no Pentágono: o Voo 77 da United Airlines (11×7).
  5. O quinto 11 é formado pela Torre Norte do WTC, que tinha a altura de 110 andares (11×10).
  6. O sexto 11 é formado pela Torre Sul do WTC, que tinha 110 andares (11×10). As vigas dessas torres foram posicionadas em 22 polegadas (11×2) uma da outra. A construção começou em 1966. Este é o ano em que a Igreja de Satanás foi fundada, e quando se soma seus dígitos, eles resultam em outro 22 (1+9+6+6=22). O poço do primeiro elevador estava posicionado no 44º andar (11×4). As torres tinham 1.368 e 1.362 pés de altura respectivamente. 1.368, quando somados seus números, resulta em 18 (6+6+6). 1.362 somados resultam em 12, que é 6+6, outro 11×6.
  7. A arquitetura das Torres Gêmeas do WTC formavam um 11 antes do ataque.
  8. O oitavo 11 é formado pela tripulação do Voo 11 da American Airlines, que totalizava 11.
  9. O nono 11 deriva do fato de que o 11 de setembro é o 254º dia do ano. Quando se somam 2+5+4, o resultado é 11.
  10. O décimo 11 é porque depois de 11 de setembro, restam 111 dias no ano.
  11. O décimo primeiro 11 vem do fato histórico de que Nova York foi o 11º primeiro estado a se juntar à União na preparação para a criação da Confederação dos Treze Estados que declararia a independência da Inglaterra. Ademais, o nome New York City tem 11 letras.
  12. 11 anos até o 9/11: Exatamente 11 anos após o dia em que o presidente George Herbert Walker Bush fez o seu discurso no Congresso enaltecendo a Nova Ordem Mundial, um poderoso golpe foi desferido para finalmente mergulhar o mundo nesse sistema mundial. Uma vez que Bush introduziu esse termo ao público geral, todo o mundo começou a usá-lo. Dan Quayle, o vice-presidente, compareceu a vários programas de televisão para explicar esse termo e dizer a todos como o conceito era maravilhoso. A primeira-ministra britânica Margaret Thatcher e o primeiro-ministro soviético Mikhail Gorbatchev também começaram a usar esse termo, antes reservado apenas aos leitores de seletos materiais ocultistas.
  13. O Voo 11: 92 pessoas (11 tripulantes, 76 passageiros e 5 sequestradores) a bordo (9+2=11).
  14. O número de telefone para chamadas de emergência nos Estados Unidos é 911 (9+1+1=11); 119 é o código de área do Iraque e do Irã (1+1+9=11).
  15. Durante a crise na terça-feira, as crianças que estavam na área das Torres Gêmeas foram transferidas para uma “escola segura” na Rua 11.
  16. A única balsa que permaneceu em operação foi a de número 11, na Rua 33.
  17. Quando o presidente George W. Bush visitou a cidade de Nova York em 16 de setembro, foi fotografado ao lado de um bombeiro que usava um capacete com o número 164; quando esses algarismos são somados, totalizam 11.
  18. O presidente Bush ordenou que as bandeiras americanas fossem hasteadas a meio-pau até o dia 22 de setembro (11×2). Essa data significa que as bandeiras ficaram hasteadas a meio-pau por 11 dias após os ataques.

A veneração dos ocultistas pelo número 11 tem uma explicação. Como em várias passagens da Bíblia Deus deixa bem claro que Ele é o Princípio e o Fim, o Alfa e o Ômega, os ocultistas o identificam com o número 10, uma vez que a sequência básica dos números vai do 1 ao 0. Pela mesma razão, Deus teria nos dado 10 mandamentos, nem mais, nem menos, uma vez que 10 é o número que O representa em sua perfeição (A Lei seria uma transcrição do próprio caráter de Deus). Para os satanistas, em contrapartida, o Diabo estaria um passo além de Deus, o que se traduz pela soma de 10+1=11. O 911 seria assim o número da negação de Deus, já que vai do 9 direto para o 11.

O número 11 excede o número 10 e fica aquém do número 12, que é de graça e perfeição. O 11 é a representação das forças espirituais do mal ou impuras no misticismo judaico, adverso às Sephiroth (Números) da Árvore da Vida na Cabala. O que torna o 11 ainda mais significativo é o fato do número atômico do sódio ser 11 (o que remete a Mateus 5:13-16: “Vós sois o sal da terra…”) e de existirem 92 tipos de átomos naturais (92= 9+1+1=11). Cada substância na Terra é feita de combinações desses 92 átomos. O menor deles é o hidrogênio, que contém apenas um próton no seu núcleo, e o maior é o urânio, que tem 92 prótons e 146 nêutrons. Já foram produzidos cerca de 26 átomos artificiais, mas eles não são estáveis e rapidamente se desintegram em outros menores.

Os Ataques Terroristas de 11 de março de 2004 em Madrid apresentam o mesmo padrão de assinaturas ocultistas que os ataques ao WTC e ao Pentágono, senão vejamos:

  1. 11 de março de 2004: O dia forma o primeiro 11.
  2. 11 de março (terceiro mês) e o ano 2004 equivalem a um 11 (1+1+3+2+0+0+4=11).
  3. 11 de março de 2004 fica exatamente 911 dias após os ataques de 11 de setembro de 2001.
  4. No dia posterior ao bombardeio em Madrid, os espanhóis saíram aos milhões por toda a Espanha para protestar. O jornal estatal publicou que 11 milhões de pessoas se juntaram aos protestos.
  5. 191 pessoas morreram nos ataques (1+9+1=11).
  6. 858 pessoas ficaram feridas [1+8+5+8=22 (11×2)].
  7. As três primeiras bombas (a primeira às 7h37min47seg) explodiram na Estación de Atocha, no trem nº 21431 (2+1+4+3+1=11).

Uma outra grande catástrofe veio a ocorrer em uma data com dois números 11: O Sismo e Tsunami de Sendai, o Grande Terremoto do Leste do Japão em 11 de março de 2011. O terremoto com magnitude de 9,0 com epicentro a 130 quilômetros da costa leste da península de Oshika, na região de Tohoku, com o hipocentro a uma profundidade de 24,4 quilômetros, gerou ondas de mais de 10 metros de altura que percorreram mais de 10 quilômetros de terra e causaram a morte de 13.333 pessoas e o desaparecimento de outras 16.000, além do acidente na Usina Nuclear de Fukushima, o pior desde o de Chernobil em abril de 1986, e o segundo a chegar ao nível 7 na Escala Internacional de Acidentes Nucleares. O volume de água contaminada com material radioativo despejado diariamente pela usina no Oceano Pacífico chega a 300 toneladas.

A despeito de tantos indícios e provas ligando a autoria desses eventos apocalípticos e satânicos à Maçonaria, aos Illuminati e aos demais líderes da Elite Oculta do mundo, a quase totalidade da população, condicionada pela mídia por eles controlada, continua acreditando nas versões oficiais pueris de “terroristas islâmicos escondidos em cavernas” e “desastres naturais”. A Elite Oculta não teme em praticar tais atos porque sempre confia na tendência humana natural de duvidar da verdade desagradável ou aterrorizadora. Os mestres Illuminati têm um ditado que diz: “Audácia, sempre audácia.” Logicamente, a audácia é algo tão chocante que será desacreditada.

 

Este texto foi retirado em sua íntegra do livreto de Claudio Suenaga, A verdade sobre o 11 de Setembro: Os significados ocultos e as conexões satânicas do maior atentado terrorista da história, que integra a série “O Culto da Verdade”, concebida para revelar como o mundo de fato funciona e não do jeito que as pessoas pensam que funcionam, bem como todo o aparato e o conhecimento oculto que vêm sendo mantido em segredo pelas sociedades secretas e religiões há milênios.

 

Notas

 [1] Por influência de sua mãe, Tolkien abraçou o catolicismo. Mesmo sem abordar a questão religiosa diretamente, mantendo-a oculta em personagens, lugares e até atitudes, Tolkien dizia que os mitos não cristãos guardavam em si elementos do Grande Mito, o Evangelho, que adentraram o Mundo Primário, isto é, o mundo real, fato este que segundo ele não iria contra a Igreja Católica. Apaixonado por línguas antigas e modernas, Tolkien se tornou versado em grego antigo, latim, gótico, islandês antigo, sueco, norueguês, dinamarquês, anglo-saxão, médio inglês, alemão, neerlandês, francês, espanhol, italiano, galês e finlandês. O galês lhe serviu de base para o idioma élfico, o sindarin, e o finlandês para outro idioma élfico, o quenya. As duas torres são as de Orthanc em Isengard (que significa “Fortaleza de Ferro”, do alemão eisen), entregue ao mago Saruman pelo regente de Gondor, e a do Bruxedo em Minas Morgul ou Minas Ithil (que em sidarin significa “Torre da Lua Crescente”), cidade morta comandada pelo rei bruxo de Angmar. Entre setembro de 1999 e março de 2001, o cineasta neozelandês Peter Jackson rodou simultaneamente nas paisagens ermas e montanhosas da Nova Zelândia, os três filmes de O Senhor dos Anéis, divididos do mesmo modo que os livros (A Sociedade do Anel, As Duas Torres e O Retorno do Rei).

[2] A Agência Federal de Gerenciamento de Emergências é a organização mais poderosa dos Estados Unidos, com poderes superiores aos do próprio Presidente da República, podendo, dentre uma infinidade de atribuições, suspender leis, controlar meios de comunicação e mídias, movimentar populações, deter e prender cidadãos sem quaisquer julgamentos, confiscar propriedades, sistemas de geração de energia, gás, petróleo, combustíveis e minerais, alimentos, fazendas e transportes, e até mesmo suspender os direitos constitucionais.

[3] White, Ellen Gould. “Testemunhos Seletos” (vol.3, p.281 e 282), in Eventos Finais, São Paulo, Casa Publicadora Brasileira, 2001, p.113.

[4] Doron, Meir & Gelman, Joseph. Confidential: The Life Of Secret Agent Turned Hollywood Tycoon, New York, Geffen Books, 2011.

[5] Entrevista datada de 8 de fevereiro de 2010, transcrita por Doron & Gelman em Confidential: The Life Of Secret Agent Turned Hollywood Tycoon.

[6] Rodolf Steiner foi um ocultista e esotérico austríaco (1861-1925), líder da Sociedade Teosófica na Alemanha de 1902 a 1912, quando então fundou a Sociedade Antroposófica. A Antroposofia (derivada do grego anthropós, homem, e sophia, sabedoria, ou seja, “conhecimento do ser humano”) de Steiner busca revelar no homem o divino que nele se encontra adormecido para que se torne participante efetivo do mundo espiritual através de seus corpos superiores, tornando assim evidente no mesmo o conceito do Theós (Deus). Steiner escreveu cerca de quatrocentos livros, entre eles Como Conhecer Mundos Superiores (1904) e Investigações sobre o Ocultismo (1920).

[7] Uma infinidade de outras curiosas e estupefacientes antecipações ao 9/11 foram recolhidas e compiladas por John Valentini em seu livro Imagining 9-11: A Compilation of 9-11 Synchronicities in Popular Culture pre-September 11, 2001.

[8] O texto diz: “O bode de estimação da menina come tudo o que encontra pela frente. Os pais da menina querem se livrar do bode, mas ela o defende. No final, o bode se torna um herói quando ele ajuda a prender um ladrão que tentava roubar o carro da família.” [Engelmann, Siegfried & Bruner, Elaine C. “The Pet Goat”, in Mastery II: Storybook 1, New York, McGraw-Hill, 1995].

[9] Westcott, William Wynn. Numbers: Their Occult Power and Mystic Virtues, London, 1890, p.15.

 

NEW YORK, NY – JUNE 30: The north pool waterfall is tested as work continues on the National September 11 Memorial & Museum at the World Trade Center site on June 30, 2011 in New York City. The memorial features two reflecting pools on the footprints of the twin towers. The memorial is scheduled to be dedicated on September 11, 2011, the tenth anniversary of the World Trade Center terrorist attacks. (Photo by Mario Tama/Getty Images)

MD22 MADRID, 11/03/2010.- El alcalde de Madrid, Alberto Ruiz Gallardón (2d), el vicealcalde, Manuel Cobo (2i), y los portavoces del PSOE y de IU en el Consistorio, David Lucas (d) y Ángel Pérez, respectivamente, durante la ofrenda floral y los cinco minutos de silencio que en recuerdo a las víctimas en los atentados del 11 de marzo de 2004 y organizado por el Ayuntamiento de Madrid se ha celebrado en la sala en el interior sel Monumento en Conmemoración de las Víctimas erigido ante la estación de Atocha. EFE/J.J. Guillén HOMENAJE AYUNTAMIENTO MADRID EN MONUMENTO ATOCHA